A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

19/09/2018 18:20

Psiquiatra vem a presídio da Capital avaliar agressor de Bolsonaro

Adelio Bispo de Oliveira está no Presídio Federal em Campo Grande desde o dia 8 de setembro

Geisy Garnes
Adélio foi recebido por agentes penitenciários federais no Aeroporto Internacional de Campo Grande (Foto: Kísie Ainoã)Adélio foi recebido por agentes penitenciários federais no Aeroporto Internacional de Campo Grande (Foto: Kísie Ainoã)

Um psiquiatra vêm a Campo Grande para avaliar Adelio Bispo de Oliveira, preso desde o dia 6 de setembro por esfaquear o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL). O profissional foi contratado pela própria defesa do suspeito para fazer um laudo técnico de sanidade mental, que embasará um novo pedido de exame para a justiça.

Desde o dia 8 de setembro, Adélio está no Presídio Federal em Campo Grande. Ele foi trazido à Capital após passar por audiência de custódia e ter a prisão em flagrante convertida em preventiva.

Logo após a prisão, a defesa de Adélio protocolou na 3ª Vara da Justiça Federal em Juiz de Fora o pedido para que o cliente fosse submetido a um teste de sanidade mental. O pedido foi negado pelo juiz Bruno Savino, que afirmou na decisão não haver “elementos de informação que sustentem a existência de dúvida relevante e plausível sobre a higidez mental do investigado”.

No entanto, o juiz autorizou à defesa o acesso de médico de sua confiança ao custodiado, para que a produção de laudo técnico com o poder de subsidiar um novo pedido para o exame de sanidade mental.

Ao Campo Grande News, o advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior explicou que o psiquiatra vai “disponibilizar um parecer técnico sobre a situação de Adélio”. Dependendo do resultado, o documento servirá de base para que a justiça autorize um “exame oficial”.

O laudo técnico será feito pelo psiquiatra paulistano Hewdy Lobo Ribeiro, que segundo a revista Crusoé, aceitou fazer o exame voluntariamente. Ainda conforme o advogado, a previsão é que a visita do profissional ao Presídio Federal de Campo Grande aconteça ainda essa semana. “Deve acontecer amanhã”, detalhou Zanone.

No Presídio Federal, segundo o Depen (Departamento Penitenciário Nacional), Adélio está isolado em uma ala destinada a réus colaboradores, protegidos pela Justiça ou com risco a integridade física.

O investigado é submetido a um rotina rígida, a mesma imposta a todos os internos, principalmente aos que acabam de ingressar. Nos 10 primeiros dias, Adélio ficou em uma cela individual, de 7 metros quadrados, com direito a duas horas de banho de sol, mas sem contato com outros internos. No período de adaptação, às visitas são proibidas, a não ser dos advogados.

Na unidade, os internos são monitorados 24 horas por dia por sistema de conta com ao menos 200 câmeras.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions