ACOMPANHE-NOS    
MAIO, TERÇA  26    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Regra é ficar em casa, mas na Praça do Peixe, vida parece ter voltado ao normal

Muitas pessoas andavam, jogavam vôlei nas quadras de areia e brincavam, como se o novo coronavírus não estivesse por aí

Por Lucia Morel e Liniker Ribeiro | 02/04/2020 18:31
Quadra de areia estava cheia hoje à tarde. (Foto: Paulo Francis)
Quadra de areia estava cheia hoje à tarde. (Foto: Paulo Francis)


Mesmo diante da necessidade de isolamento e quarentena, a cidade parece estar voltando ao normal. Esta semana, no mirante da avenida Duque de Caxias, o movimento era grande. E hoje, na Praça do Peixe, no bairro Vilas Boas, não foi diferente.

A praça fica em uma das regiões onde já há casos registrados da doença. (Foto: Sisgran)
A praça fica em uma das regiões onde já há casos registrados da doença. (Foto: Sisgran)

Muitas pessoas andavam, jogavam vôlei nas quadras de areia e brincavam, como se o inimigo invisível, o novo coronavírus, não estivesse por aí.

Carolina dos Santos Macario, 32 anos, estava com a sobrinha de cinco anos. Para ela, a quarentena é necessária, mas quando se tem criança em casa, cumpri-las, é mais difícil.

“Eu particularmente acho que tem que existir quarentena, porque a pandemia é algo sério, mas é complicado quando você tem criança pequena em casa”, disse.

Ela conta que apesar do passeio, toma os cuidados previstos como lavar as mãos e usar álcool em gel, mas também fica atenta ao movimento da praça. “Se tem muita criança, como no fim de semana, a gente evita. Só venho quando realmente tem pouca gente”, conta.

O arte-finalista Júlio César Sanches, 40, diz que saiu de casa porque o filho de seis anos não aguentava mais ficar trancado em casa. “Tenho medo sim, e tomamos muito cuidado. Passo sempre orientação pra ele lavar mãos, chegar em casa e tomar banho”, afirma.

No local, diz que um dos cuidados é ficar longe das pessoas, evitar o contato e aglomerações. “Medo a gente tem e procura se prevenir, mas tem horas que a gente tem que dar uma volta”.

Thiago Oshiro levou álcool em gel para passar no filho. (Foto: Paulo Francis)
Thiago Oshiro levou álcool em gel para passar no filho. (Foto: Paulo Francis)

Thiago Oshiro, empresário, foi com o filho na praça também, mas foi munido de álcool em gel. Eles ficaram afastados da multidão e segundo Oshiro, todas as regras de higiene estão sendo seguidas. "É lavar as mãos toda hora e usar o álcool", define.

Em família, Leandro Villalva, 27 anos, Danilo Villalva, 30 e o primo deles, Rafael Leal da Conceição, 25 tomavam tereré na praça. “A gente percebeu que o movimento aumentou, mas a gente fica meio distante das pessoas”, argumenta Leandro.
 Para ele, “parece que não está acontecendo nada, que está normal, mas acho que o movimento aumentou tanto porque as academias estão fechadas e o pessoal vem pra cá pra se exercitar”, avalia, ao dizer que na última segunda-feira, a praça estava ainda mais cheia.

Em família, Leandro, Danilo e Rafael disseram que não tem problema tomar um tereré. (Foto: Paulo Francis)
Em família, Leandro, Danilo e Rafael disseram que não tem problema tomar um tereré. (Foto: Paulo Francis)

Sobre o tereré, disse apenas que “como estamos em família, é tranquilo”, comenta.

Para Rafael, apesar do passeio, ao chegar em casa, o chinelo fica pra fora e a higiene é feita. “Tenho consciência que uma pessoa pode estar gripada e acaba cuspindo no chão e a gente pode pisar e levar o vírus pra casa”.

Sobre o aumento na quantidade de pessoas e carros nas ruas, ele avalia que a tendência é aumentar mesmo porque as pessoas não aguentam mais ficar em casa e acredita que semana que vem será mais movimentado ainda.