A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

26/12/2012 19:32

Risco de dengue coloca em alerta oito bairros de Campo Grande

Nícholas Vasconcelos e Helton Verão
Os bairros mais afetados são o São Conrado, Tijuca e Itamaracá (Foto: Elverson Cardozo)Os bairros mais afetados são o São Conrado, Tijuca e Itamaracá (Foto: Elverson Cardozo)

O risco da dengue coloca em alerta oito bairros de Campo Grande, que apresentaram infestação acima 4,3 no Lira (Levantamento Rápido de Infestação). De acordo como índice divulgado hoje pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), os bairros Itamaracá, São Conrado e Tijuca onde o levantamento apontou índice de infestação de 4,8.

Nos locais onde a infestação é alta, a realidade é de terrenos mal cuidados e com criadouro para o Aedes aegypti. Exemplo é a rua Nhambiquar, no Tijuca, onde é possível contar 40 terrenos, a maioria deles baldio e com livre acesso para servir de depósito.

Quem é vizinho e diz cuidar do próprio imóvel reclama da falta de atenção com os pontos que concentram focos do mosquito da dengue. O aposentado Alceu Meireles Souza, 72 anos, vive há 13 anos no bairro e diz que sofre com a dengue. “A gente acaba sendo isca de mosquito da por culpa da irresponsabilidade dos donos dos terrenos”, desabafou. Ela reclama que parte dos proprietários dos imóveis não mora no bairro, deixando quem vive exposto ao risco da doença.

No posto de saúde do bairro Guanandi, pacientes esperavam pelo atendimento deitados nos bancos da unidade de saúde sofrendo com os sintomas da dengue. “Comecei a sentir os sintomas hoje de manhã, veio muito forte”, conta o pedreiro Ricardo Cunha, 37 anos.

Ao lado, dele esperava pela consulta a auxiliar de limpeza Vera Lúcia Pereira, 51 anos, que começou a sentir os sintomas como dor no corpo, cansaço, dor atrás dos olhos, articulações e manchas vermelhas. “Eu já tive dengue no ano passado e sei como são os sintomas”, comentou.

Ricardo e Vera Lúcia dizem cuidar dos terrenos e dos imóveis de casa, o que não impediu o aparecimento da dengue.

A infestação do transmissor da dengue também é alta nos bairros Jardim Noroeste, Veraneio, Universitário, Tiradentes, São Lourenço e Santo Amaro, bairro onde o pedreiro Ricardo mora. Nesses bairros o levantamento apontou situação de risco, variando de 4,3 a 4,8. O ideal é que o Lira fique em no máximo 1, enquanto de 1 a 3,9 é considerada situação de alerta.

“Não tem que se encontrar culpado, estamos fazendo a nossa parte. A população também tem de fazer a dela”, diagnosticou a diretora-geral de vigilância em Saúde do Estado, Bernadete Lewandowski.

Só este ano, a Capital já registrou 6.793 casos de dengue até dezembro, com 668 confirmados e três mortes. Na comparação com o ano passado, foram 936 casos a mais, quando foram diagnosticados 5.857 notificações.

O crescimento se tornou maior nos últimos meses, coincidindo com o fim da Primavera e começo do Verão. Em entrevista ao Campo Grande News, o secretário-adjunto de Saúde de Mato Grosso do Sul, Eugênio de Barros, lembrou que o ciclo do mosquito da dengue é muito mais rápido quando há calor e chuva, características das estações.
Enquanto em condições normais, o ciclo do Aedes leva 14 dias, com chuva e altas temperaturas ele fica adulto em apenas sete.

O infectologista também lembra que é preciso atenção aos sintomas. “Depois de três ou quatro dias as pessoas podem achar que o pior já passou, mas é preciso ficar atento porque a doença pode ficar mais forte”, lembrou.

 

Moradores prendem suspeito de assaltar mulher com criança no colo
Armado com uma faca, Igor Mateus Lima da Costa, 19 anos, assaltou uma mulher que estava com o filho no colo e acabou preso por moradores. O caso acon...
Homem de 30 anos é esfaqueado e fica em estado grave
Bartolomeu Gomes de Araújo Barbosa, 30 anos, ficou gravemente ferido após ser atingido a golpes de faca no abdômen, na noite de ontem (12), na Rua Bo...
Após documento vazar, Sesau diz que hemogramas não foram suspensos
A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) afirmou que os hemogramas continuam sendo feitos na rede pública de saúde de Campo Grande. A informação inici...


Gostei do seu comentário Dora, mas e quando se trata de terreno da própria prefeitura?
Moro em uma rua que acompanha o córrego paralela a Av. Lúdio Coelho, a coisa é pra inglês ver é só entrar nessas ruas paralelas a principal e notará que são verdadeiros lixão ao ar livre, sem corte dos matos e sem nenhuma cerca. Excelentes focos para dengue.
 
José Edson em 27/12/2012 23:14:23
Concordo com a Doralice e tenho mais, tem muitos que mesmo após notificados não fazem nada e esperam os agentes de saúde para limparem seus quintais(isso não é função deles), sei disso pois meu pai é supervisor de área e sempre vem cobrança em cima dele e de seus agentes por erros dos proprietários e da prefeitura. Deu os 30 dias, não limpou mete multa, passou mais 30 dias e não pagou a multa e nem limpou o terreno, é só confiscar o mesmo e fazer habitações (para os que necessitam), posto policial, posto de samu ou bombeiro, ponto de coleta de recicláveis (desde que tenha as prensas, local todo fechado, esteiras,etc...), etc... . O certo é a prefeitura aproveitar estes locais onde os donos não se importam. Tem terrenos abandonados no centro e eles pagando aluguel da camâra, burrice!
 
Alexandre de Souza em 27/12/2012 19:53:48
Essa questão de terrenos descuidados é valida para todos os bairros da cidade. Vai uma sugestão: Ministério Público de um prazo de 30 dias para os donos limparem o terreno, se isso não acontecer, deve ser feito um processo criminal, pois com certeza, esse desleixo leva as pessoas a óbito, então são criminosos, e lugar de criminoso é na cadeia.
Dora.
 
Doralice Martins em 27/12/2012 15:44:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions