ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 33º

Capital

Sargento responde por facilitar entrada de droga na Máxima e receber com PIX

Justiça também autorizou investigar se há mais policiais em esquema de propina e tráfico

Aline dos Santos | 30/08/2022 10:52
Corregedoria da Polícia Militar foi autorizada pela Justiça para abrir inquérito. (Foto: Henrique Kawaminami)
Corregedoria da Polícia Militar foi autorizada pela Justiça para abrir inquérito. (Foto: Henrique Kawaminami)

A Justiça autorizou compartilhamento de provas para que a Corregedoria da PM (Polícia Militar) instaure inquérito e apure a participação de mais policiais militares nos crimes de associação ao tráfico, tráfico de drogas e corrupção passiva. Em especial, a investigação busca identificar quem seria o militar citado como “véio do interior”.

O esquema de facilitação de ingresso de drogas na Máxima de Campo Grande, presídio Jair Ferreira de Carvalho, foi alvo de operação em abril deste ano. Na ocasião, foi preso o terceiro sargento Aguinaldo Medina, que trabalhava no Batalhão de Guarda e Escolta.

De acordo com a denúncia do MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), o policial recebeu R$ 22.650 por meio de PIX repassado por pessoas ligadas ao sistema penitenciário. O período da quebra de sigilo bancário foi de 1º de dezembro de 2021 a 31 de janeiro de 2022.

O arremesso de drogas para dentro do presídio, no Jardim Noroeste, foi verificado após prisão de traficante em 7 de janeiro deste ano. Policiais militares apreenderam maconha enrolada em formato de bola. A explicação foi de que a droga era destinada aos presos e que pagou R$ 1 mil, por meio de PIX de terceiro, para Medina.

Nas alegações finais, anexada ao processo neste mês, a promotoria manteve a denúncia de que relatório fornecido pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), com perícia em linha telefônica do réu, demonstrou cabalmente o envolvimento do sargento com o tráfico, que recebia propina para não apreender o entorpecente.

A denúncia é por corrupção passiva e por crimes da Lei do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas.

Na última quinta-feira (dia 25), o juiz da Auditoria Militar, Alexandre Antunes da Silva, deferiu o compartilhamento dos dados (áudios) extraídos do celular de Medina e abertura de IPM (Inquérito Policial Militar).

Aguinaldo ainda não apresentou as alegações finais e o magistrado deu prazo de três dias para anexação do documento. A reportagem não conseguiu contato com a defesa.

Nos siga no Google Notícias