ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Sem assistente educacional, servidores acumulam função para auxiliar autistas

Sem previsão para atender crianças que usam fraldas, Semed fará "nova seleção e contratação em breve"

Caroline Maldonado | 24/02/2023 08:42
 Escola Municipal Padre José de Anchieta, na Vila Planalto, em Campo Grande (Foto: Reprodução/Google Earth)
 Escola Municipal Padre José de Anchieta, na Vila Planalto, em Campo Grande (Foto: Reprodução/Google Earth)

É um direito assegurado por lei, mas crianças autistas frequentam escola da rede municipal de Campo Grande sem assistentes educacionais inclusivos. Dois deles são irmãos gêmeos de 4 anos. No total, a Escola Municipal Padre José de Anchieta, na Vila Planalto, tem oito autistas esperando o profissional, enquanto funcionários de outras áreas acumulam função, segundo a mãe dos gêmeos, Gleiciane Almeida Silva dos Santos, de 28 anos.

Ela conta que fez a solicitação em dezembro com os laudos apontando autismo em mãos, mas a direção continua aguardando a designação dos profissionais para desespero dos pais das crianças, que ainda não falam e usam fraldas.

Na Semed (Secretaria Municipal de Educação), ela descobriu que a solicitação é de apenas um assistente para as duas crianças e não recebeu uma previsão de quando os profissionais estarão na escola.

“Disseram que está sendo feita uma seleção. Perguntei qual é a data de convocação porque sabemos que todo edital tem uma data prevista e eles me disseram que não tem data”, conta a mãe.

Gleiciane parou de trabalhar para dar conta da agenda de tratamento dos filhos e fica extremamente preocupada com a situação.

“É um descaso. O que me revolta mais é que desde o ano passado está feito o pedido com o laudo. Por que não abriram antes esse processo seletivo? Tem uma mãe de autista que ficou o ano passado todo sem auxiliar e não mandaram. Como que profissionais de outras funções vão ficar cuidando o ano todo dos meus filhos? A escola e esses profissionais estão tentando ajudar meus filhos, mas eles têm direito ao assistente educacional”, desabafa Gleiciane.

Um detalhe sobre a seleção de assistentes inclusivos também preocupa a mãe. “Disseram que os assistentes que passam na seleção tem o direito de escolher para qual escola vão e com quais alunos querem trabalhar. E fizeram a solicitação de apenas um assistente para os gêmeos. Que profissional vai querer trabalhar com dois alunos ao invés de um?”, questiona a mãe.

A reportagem solicitou informações à Semed, mas a secretaria não deu previsão para o caso dos gêmeos da Escola Municipal Padre José de Anchieta.

"A Semed (Secretaria Municipal de Educação) esclarece que os assistentes são designados de acordo com a demanda da escola. Atualmente, temos 818 profissionais atuando como assistente de educação inclusiva. De acordo com a resolução da Semed 188, um assistente pode atender até 6 alunos por turma. No início do ano, foram disponibilizados 219 assistentes educacionais inclusivos e todos que participaram do processo seletivo já foram designados. A secretaria está em fase de organização para nova seleção e breve contratação", diz a nota enviada pela assessoria do órgão.

No Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), a última convocação de assistentes educacionais inclusivos foi publicada em 17 de janeiro deste ano. Foram chamados a se apresentar à Semed, no dia 20 de janeiro, 129 candidatos aprovados.

Lei - O direito ao professor para o atendimento educacional especializado está assegurado pela Lei 13.146/2015, conhecida como Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência ou Estatuto da Pessoa com Deficiência.

Nos siga no Google Notícias