A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

09/03/2015 16:07

Servidores do MPF "comemoram" um mês de greve com bolo e refrigerante

Ricardo Campos Jr.
Servidores protestando em frente ao MPF (Foto: Alcides Neto)Servidores protestando em frente ao MPF (Foto: Alcides Neto)

Servidores do MPU (Ministério Público da União) fizeram uma manifestação simbólica na tarde desta segunda-feira (9) com bolo, refrigerante e salgadinhos para lembrar a data em que o movimento completa um mês. A categoria cobra aprovação de um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados que concede reajuste de 56% referentes às correções inflacionárias que há nove anos não têm sido concedidas.

Os funcionários públicos querem pressionar o procurador-geral da república, Rodrigo Janot, a negociar com os parlamentares a inclusão do texto na pauta. “Em dezembro tinham dois projetos de lei, um com reajuste dos procuradores e outro dos demais servidores e só o primeiro passou”, relata Marcelo Christóvão, um dos integrantes do movimento.

Conforme os grevistas, a paralisação foi motivada pela diferença de tratamento e o surgimento do que eles chamam de estrutura de castas dentro do MPU, que compreende o MPF (Ministério Público Federal), MPT (Ministério Público Militar) e MPM (Ministério Público Militar).

Dos 80 servidores do MPF em Campo Grande, 52 estão parados por conta do movimento. As PRMs (Procuradorias Gerais nos Municípios) de Dourados, Naviraí e Coxim, conforme as lideranças grevistas, estão totalmente paralisadas. A PRM de Três Lagoas chegou a participar, mas depois desistiu e os funcionários públicos retornaram às atividades.

Estão sendo feitos apenas atendimentos considerados essenciais e de urgência, como análise de prisões, pedidos de liminares, etc. Casos relacionados ao tráfico de drogas, demarcações indígenas, trabalho escravo, entre outros, estão prejudicados.

A manifestação deve durar até a votação do orçamento da União, previsto para ser colocado em pauta até quarta-feira. De acordo com lideranças grevistas, caso o objetivo não seja atendido, eles vão cobrar de Janot reivindicações que ele mesmo pode deliberar sem necessidade de passar pelos deputados, como a concessão dos 13% de aumento que todos os servidores federais ganharam em 2013, mas não contemplou quem trabalha no MPU, aumento no auxílio moradia, entre outras coisas.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions