ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUARTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Sindicatos cobram retirada de projetos que podem prejudicar servidor municipal

Entidades garantem que prefeitura está orquestrando sessão extra da Câmara para aprovação a toque de caixa

Por Maristela Brunetto | 21/12/2023 16:19
Sindicatos querem que projeto enviado de última hora não seja analisado em sessão extra por vereadores, sem debate prévio com servidores (Foto: Arquivo/ Paulo Francis)
Sindicatos querem que projeto enviado de última hora não seja analisado em sessão extra por vereadores, sem debate prévio com servidores (Foto: Arquivo/ Paulo Francis)

Um grupo de sindicalistas procurou a Prefeitura de Campo Grande para cobrar que sejam retirados da Câmara de Vereadores projetos de lei que chegaram à Casa no último dia de votações. Eles temem que direitos dos servidores municipais sejam prejudicados. A mobilização ocorreu depois que veio à tona a articulação entre secretários municipais e vereadores para a realização de sessão extraordinária a pedido da Administração Municipal, ainda neste ano.

No último dia da sessão, 14 matérias foram apresentadas, mas parte delas foi retirada da pauta. Entre os projetos, constaram inciativas para alterar várias leis referentes aos servidores municipais. A prefeitura encaminhou mensagem apontando que as alterações atendiam os compromissos firmados em TAG (Termo de Ajustamento de Conduta) assinado na semana passada com o TCE (Tribunal de Contas do Estado).

A preocupação envolve representantes de vários sindicatos, incluindo servidores da Saúde (médicos e enfermagem), Guarda Civil, auditores, assistentes sociais e arquitetos. Juntos, cobram que as matérias sejam retiradas de pauta, haja discussão e a garantia de que os efetivos não sofrerão perdas. O grupo pretendia uma resposta do secretário de Governo e Relações Institucionais, João Rocha.

O advogado que representa parte dos sindicatos, Márcio Almeida, chegou a fazer uma tabela com alterações propostas e o temor de que tragam perda de direitos, extrapolando as determinações feitas pelo TCE ao Município para corrigir irregularidades na folha de pagamento.

Almeida inclusive pontua que o TAG estabeleceu prazos que não justificam a forma acelerada como a prefeitura apresentou os projetos com alterações. Há prazos de 60, 90 e até 120 dias para cumprimento de compromissos pactuados, o que possibilitaria o debate das mudanças a serem defendidas e votação no ano que vem.

Risco a direitos - Entre os itens pontuados, consta o temor com o corte de auxílio-alimentação para guardas municipais, a autorização para o Executivo alterar vantagens pessoais por meio de decreto, o corte de adicionais (abono, ajuda de custo, 13º) ao fixar como limite o salário do titular do Executivo, redução de vencimento com corte de vantagens de serviço como periculosidade, insalubridade, plantões, produtividades, adicionais de fiscalização e noturno.

Por outro lado, há o apontamento de uma série de vantagens que beneficiariam pessoas que ocupam cargos comissionados, aumentando despesas e contrariando as exigências do TCE.

O vereador Marcos Tabosa, que é sindicalista, do Sisem (Sindicato dos Servidores Municipais) informou que a assessoria jurídica dele estudou as mudanças propostas e, de fato, encontra pontos vulneráveis no texto. Ele menciona o corte de auxílio-alimentação e, por outro lado, acúmulos em valores elevados.

Tabosa aponta que há um adicional para encargos especiais que pode chegar a R$ 5 mil para cada atribuição adicionada, o que ele vê como risco de pagamentos elevados. Para o vereador, o razoável seria algo aproximado a R$ 1 mil.

O parlamentar disse que se opõe à votação sem debate prévio e sem adaptação do texto para não haver risco aos efetivos.

O que diz o TAG – O compromisso que a prefeitura firmou com o TCE prevê uma série de atribuições com diferentes prazos para cumprimento e multas em caso de desrespeito. Entre as obrigações com prazo de 90 dias para encaminhamento estão criação de comissão e condução de reforma de leis sobre efetivos; em 60 dias, cabe à Administração apresentar critérios objetivos sobre gratificações e adicionais, organizar a situações de contratados temporários, devendo se ater às funções que foram indicadas na contratação, e regularizar pagamento de adicional por dedicação exclusiva, que deve ter alcance restrito.

O TCE fixou, ainda, prazo de 120 dias para a prefeitura estudar o quadro geral de servidores, delimitando as necessidades da Administração, reduzir número de contratações sem vínculo e as contratações temporárias de professores.

O TAG também define que a gestão municipal deve buscar elevar a arrecadação, inclusive realizando concurso para auditores, se necessário. O TCE determinou também a redução do pagamento de jetons e outras vantagens enquanto a prefeitura seguir extrapolando os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal com a folha. Outro aspecto que constou no compromisso assinado é que somente podem exercer tarefas com dedicação exclusiva pessoas que são efetivas do quadro de servidores.

O termo foi firmado após uma inspeção ter encontrado irregularidades na folha de pagamento do ano passado.

Nos siga no Google Notícias