A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

10/12/2012 15:32

Testemunhas dizem que tiroteio foi de uma quadra a outra durante assalto

Gabriel Neris e Helton Verão
Poste de energia elétrica e veículo Verona foram utilizados como escudos durante tiroteio (Foto: Rodrigo Pazinato)Poste de energia elétrica e veículo Verona foram utilizados como escudos durante tiroteio (Foto: Rodrigo Pazinato)

O tiroteio durante assalto na agência do banco HSBC, em Campo Grande, no cruzamento da avenida Afonso Pena com a rua Terenos se estendeu até a avenida Bandeirantes, ou seja, por uma quadra.

De acordo com o advogado Afrânio Correa, proprietário do veículo Mitsubishi L200, que teve o pneu atingido durante a troca de tiros, o cliente que estava com grande quantia de dinheiro num malote foi abordado ainda dentro da agência por um dos bandidos.

O policial viu a ação, reagiu, mas foi atingido no braço. O bandido fugiu da agência a pé pela rua Terenos em direção a avenida Bandeirantes. Outro assaltante estava numa motocicleta e também fugia no mesmo sentido.

O vendedor de picolé Josemiro Souza Batista, 53 anos, conta que estava na avenida Bandeirantes e percebeu o tiroteio na sua direção. Para não ser atingido pelos disparos, o comerciante atravessou a avenida e se escondeu. Ele disse que o policial, mesmo ferido no braço, usou um poste como escudo para escapar dos bandidos.

O piloto da motocicleta chegou a avenida Bandeirantes para que o outro assaltante, que estava com o malote, montasse no veículo para fugirem. O vendedor Nivaldo Pessoa Júnior, 51, conta que o piloto também estava armado e atirou contra o policial.

A dupla ainda atingiu a perna do policial e conseguiram empreender fuga. Ferido, o policial civil conseguiu ficar em pé e pediu a ajuda de populares para acionar a Polícia.



Quando o Legislativo Municipal conceder redução no IPTU para o munícipe (residência e comércio) que instalar sistemas de video monitoramento com câmeras voltadas para a rua e manter os dados armanzenados por um determinado período (30 dias, por exemplo), aí sim esse tipo de delito será mais facilmente esclarecido pela Polícia Civil. Cito como exemplo o caso da arquiteta assassinada: "Uma das provas essenciais do trabalho policial são as imagens obtidas pela investigação policial em uma conveniência na avenida Três Barras. Elas registraram Luiz Afonso chegando ao local, no carro de Eliane, entrando e comprando chicletes, fósforos e cigarros, apesar de não fumar. A mesma câmera filma o empresário voltando, a pé."
 
Adilson Costa em 11/12/2012 08:36:02
Minhas filhas passaram no local logo depois. Interessante que elas voltavam do aeroporto e estavam comentando sobre a 'onda de violência' aqui de São Paulo! Infelizmente, nossa Campo Grande não tem ficado atrás! Triste!
 
Ana Cláudia Duarte em 10/12/2012 21:20:03
A atitude inconsequente deste policial mostra a falta de treinamento destes na atualidade. Poderiam morrer inocentes por causa desta abordagem desastrosa...
 
Yasser Jihad em 10/12/2012 20:55:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions