A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

17/05/2011 18:10

Trabalhadores da construção e lojas faturam com lei que regula calçadas

Paula Maciulevicius

Comércio do setor tem aumento de 50% nas vendas de piso tátil e material chega a faltar

Notificados que buscam cumprir lei aquecem o mercado de mão-de-obra da construção e lojas de revenda. (Foto: Simão Nogueira)Notificados que buscam cumprir lei aquecem o mercado de mão-de-obra da construção e lojas de revenda. (Foto: Simão Nogueira)

Depois que a varredura da prefeitura em comércios e residências para o cumprimento dos parâmetros da acessibilidade nas calçadas começou, construtores e lojas de revendas não tem do que se queixar. O número de notificações reflete na mão-de-obra e na compra de materiais de construção.

O piso tátil chegou a faltar em alguns comércios da Capital e tem trabalhador correndo contra o tempo para dar conta de tanto serviço. “A gente não está dando conta, não é que está recusando, mas o jeito é terminar em três dias no máximo. Tem bastante serviço, mas é melhor para nós não é?” comenta o pedreiro Ismael Gonçalves, 23 anos.

Ele trabalha agora em uma obra na Rua 13 de Maio. A colocação do piso tátil já terminou de um lado e os construtores esperam a chegada de mais material para continuar.

Ismael fala que a única folga que teve foi neste domingo, depois de 47 dias trabalhando direto. “É um dinheiro bom entrando, depois desse já tem outro serviço. Só nesta semana foram seis para por o piso”, acrescenta.

A ausência de material nas revendas da cidade tem dificultado o andamento do serviço. “Está com muita falta, a gente tem que apertar as fábricas e dizer que precisa rápido, urgente, isso aqui tem que estar pronto amanhã, meio-dia”, completa Ismael.

Pedreiros aproveitam maré de serviço. Folga vira “luxo” para quem precisa dar conta do trabalho. (Foto: Simão Nogueira)Pedreiros aproveitam maré de serviço. Folga vira “luxo” para quem precisa dar conta do trabalho. (Foto: Simão Nogueira)

A média de preço do piso de 40 cm por 40 cm é de R$ 9,00 a peça. Já na medida de 20 cm, a unidade é vendida a R$ 3,00.

“Nós aqui não estamos em falta. Mas chegamos a pedir de fora, da loja de Dourados porque a indústria ia demorar para entregar”, relata Aparecido.

A explicação para o aumento nas vendas vem das 3 mil notificações que a prefeitura vem fazendo de janeiro até o dia 13 de maio. De acordo com a prefeitura, destas 40% já foram solucionadas.

Durante a tarde, a equipe do Campo Grande News circulou pela região central e encontrou em uma única quadra, na Rua Barão de Melgaço, três obras em andamento.

O construtor de uma delas, Luiz Correia, 42 anos, esperou três semanas para a chegada do piso e já avisa “se não encomenda antes, fica sem mesmo”. Segundo ele, a fábrica não está vencendo e desde que a regulamentação virou lei.

A procura pelo piso tátil aumentou e as vendas também, desde que a prefeitura começou a identificar e notificar imóveis que não se adequaram às leis de acessibilidade. Nos últimos 20 dias, o gerente Aparecido Emídio da Silva viu os pisos saírem como água. As vendas aumentaram em média 50%.

“Aumentou bastante nos últimos dias. Antes a saída era só para construção de casas novas, mas quando a prefeitura começou a pegar mais pesado, o pessoal corre para cumprir”, explica.

Na loja o material ainda não chegou a faltar, o prazo de entrega que a indústria pede é de cinco dias. Para não deixar o cliente na mão, o gerente teve de reforçar o estoque em 30%.

Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...


Seguinte, gostaria de dar uma sujestão,ao inves de ficar, metendo o pau no Sr.Prefeito e na mãe dele, não tem nada a ver. Olha só não seria melhor a Prefeitura fazer as calçadas do jeitinho que ela especificou,e cobrar no IPTU do proprietário, claro que seria e parava com essa frescura de cada um pensar de um jeito. vamos colocar isso em pratica, ou se não quiser cobrar no IPTU, faça um Carnê como o do Asfalto,e Pronto.estamos conversado. Obrigado pela atenção e fiquem na Paz do Senhor. Atenciosamente João Teixeira Júnior.
 
João Teixeira Júnior em 19/05/2011 08:11:10
Citando Rodrigo Ferreira:
"hahaha, o piso tátil não é para andar sobre, é para guiar os cegos que usam aquela bengala!!"

Eu nunca ví um cego utilizando esses guias, por isso acho que se deve andar sobre ele o tempo todo, pois existe calçada com o guia mais estreito, sendo que a maioria é mais largo, não tem um padrão. Vendo o guia mais largo imaginasse que o deficiente visual vá andar sobre este, pois eles andam com passos curtos e com as pernas mais fechadas. Acho que se fosse padrão o guia mais estreito, aí sim daria pra não ter que andar sobre, usando apenas a bengala. Capiti? rs...
 
Márcio Patrocinio em 19/05/2011 07:02:46
E a prefeitura e outros orgãos públicos estão fazendo a sua parte??
 
carlos fenero em 18/05/2011 10:18:52
Frederico, eu gosto MUITO do blog de vocês, sempre acompanho, aquela do Cinemark foi fantástica! Porém, a fiscalização de acessibilidade cumpre o que é exigido a norma técnica da ABNT. Concordo que acessibilidade não é só calçada, mas acho que o trabalho de fiscalização está sendo muito bem feito...
 
Guilherme Cavalcante em 18/05/2011 10:05:04
Citando Márcio Patrocinio:
"Obs.: esse piso tátil dá uma dor nos pés violenta e, imagine andar o tempo todo sobre ele... vixxx..."

hahaha, o piso tátil não é para andar sobre, é para guiar os cegos que usam aquela bengala!!
 
Rodrigo Ferreira em 18/05/2011 09:57:28
Caro Oswaldo Benites, eu mesmo fui notificado por ter uma calçada grande (mais de 5m, aqui no Santa Fé) sem área permeável. Na prefeitura, me deram um manual, acho que chama Guia de Calçadas (tem no site da prefeitura), e fiz a área permeável (já tinha piso tátil e rampa de acesso, pois minha casa é de esquina). Porém, folheando o manual, eu vi que nem todas as calçadas precisam ter área permeável. Cara, de boa, vou te falar uma coisa: o sistea de fiscalização da prefeitura é muito bom, eles usam um sistema de georreferenciamento que se você faz um puxadinho em casa eles notam, o sistema acusa. Meu vizinho trabalha no CAT (onde aprovam todos os projetos de novas construções na cidade) e me disse que eles estão se adaptando as novas legislações e que essas fiscalizações fazem parte dessa política de readaptação da cidade.
 
Gustavo Rondon em 18/05/2011 09:25:11
Gente nem todos os bairros vão ser notificados agora, só os do centro e jardim dos estados porque a prefeitura vai fazer aos poucos. Leiam a notícia antes de criticar ok? http://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/trabalhadores-da-construcao-e-lojas-faturam-com-lei-que-regula-calcadas

Dia desses eu vi na TV Brasil Pantanal o sec de meio ambiente dizer que a prefeitura vai fazer a adequação nos prédios publicos, mas que esse gasto precisa entrar no orçamento anual e quando eles começaram a fiscalização em setembro do ano passado o orçamento já tinha sido votado. Ano que vem a prefeitura vai fazer as alterações........ ok? Foi o que ele disse na matéria.
 
Keyla Tavares em 18/05/2011 09:17:59
Em relação a todos os comentários, só digo uma coisa: quem apenas colocar o piso tátil sem consertar a calçada vai se dar mal, assim como aconteceu com meu tio que mora na Maracaju. Ele apenas fez a colocação do piso e não fez a manutenção de alguns trechos da calçada pensando que a prefeitura não ia dar bola. Levou uma multa de mais de 200 reais...
 
Daniela Samúdio em 18/05/2011 09:06:27
Então senhores leitores... se observarem bem a disposição da "LEI" em que a fiscalização da prefeitura utiliza para atuar o contribuinte, estão cometendo abuso de poder, isso mesmo. É que segundo a LEI a obrigatoriedade da colocação do piso tatil é dos imoveis novos, não sendo a obrigatoriedade exigida de construçoes antigas.... olha ai você sendo obrigado a fazer o que a LEI não está determinando. ABRE O OLHO CONTRIBUINTE!!!!!!
 
alfredo jaime em 18/05/2011 08:30:00
Gostaria de saber se a lei que regularisa as calçadas preve: Enquanto da reconstrução e/ou construção deva deixar espaço para os ¨Infelizes pedesres", que sem a calçada deve desviar também da caçamba de entulhos e literalmente passar no meio da rua; Se a sinalização de deficientes visuais tem suas metragens pre estabelecidas, pois esta havendo desencontros entre estabelecimentos no mesmo quarteirão e larguras da lajotas diferentes. O que preve a lei?
 
José Soares em 18/05/2011 08:21:15
Como estão os prédios da Prefeitura? Escolas, postos de atendimento, postos de saúde, secretarias, Já instalaram em todas as calçadas? Cadê o exemplo?
 
Marcio Santos em 18/05/2011 07:55:22
São tantas Leis em Campo Grande... mas qual delas é cumprida ao pé da letra?? A própria Lei das calçadas é um exemplo, notificadas ao mesmo tempo as empresas fizeram as calçadas em formas diferentes e a Prefeitura aceitou, é Lei do Silêncio,`é Lei Seca, é Lei do`óleo, lei disso Lei daquilo...mas a Prefeitura só se prende ao centro, o resto , nada é feito, não há fiscalização, se a prefeitura trabalhasse direito, não havia coisa errada, pois os cidadaõs teriam medo de infrigir a lei pois saberiam da punição... todo mundo para em fila dupla, todo mundo faz barulho, todo mundo vende bebida alcoolica pra menor, todo mundo fica aberto depois da meia noite, gente põe fogo nos seus quintais, jogam lixos em terrenos, entulhos nas calçadas, e a fiscalização??? Nada faz. Eu sou um exemplo disso, a quase um ano, tenho reclamadao de uns terrenos, que compoem uma quadra no meu bairro, e lá na prefeitura eles me dizem, ele já tem quase dez mil de multa, ou seja, o interesse é multar e não resolver o problema.
 
Rose`Pereira em 18/05/2011 07:38:10
Acho uma excelente atitude da prefeitura, mas a própria não coloca o piso em calçadas de sua responsabilidade. E quem vai multá-la? Só falta dizer que não colocou ainda, porque o material está em falta. Obs.: esse piso tátil dá uma dor nos pés violenta e, imagine andar o tempo todo sobre ele... vixxx...
 
Márcio Patrocinio em 18/05/2011 07:14:43
Reclamar do cumprimento das leis é correto, cobrar providências do poder público também. Achei os valores do IPTU deste ano abusivos, entre muitas outras coisas. Olho pra minha cidade e vejo as coisas erradas que acontecem e o descumprimento de várias regras. Ao mesmo tempo, vejo a organização da cidade em tantos aspectos e que as partes boas (em vários aspectos) são maiores que as partes ruins. As ruas, as árvores, as calçadas, a sinalização, tantas coisas já funcionam bem em comparação a muitas cidades do Brasil. Campo Grande ainda tem muito o que melhorar, mas só para uma nativa ("espécie" rara, já que muitos moradores não são mesmo nascidos em CG) como eu e outros que saem daí, tudo parece bem melhor em comparação a outros lugares. Torço pra que nossa cidade nunca fique estagnada, que melhore sempre e que as pessoas a valorizem mais.
 
Luciana Souza Reino em 18/05/2011 02:47:23
A prefeitura fiscaliza, notifica, multa, mas não oferece orientação suficiente aos contribuintes para que as reformas das calçadas sejam realizadas dentro das normas de acessibilidade. Infelizmente, muitas calçadas continuam inadequadas mesmo após serem reformadas. Acessibilidade não é só piso tátil.

Abraços!!!

http://acessibilidadenapratica.blogspot.com
 
Frederico Rios em 17/05/2011 11:35:21
Não devemos esquecer que a prefeitura cobra em parte essa nova lei, vemos um grande número de casas e empresas colocando o piso tátil, porém cadê a fiscalização em relação área permeável, as calçadas totalmente concretadas só tem aumentado na cidade, outra coisa, a prefeitura ainda deveria cobrar de si mesma a conservação das ruas em nossa cidade.
 
Oswaldo Benites em 17/05/2011 09:33:55
Gostaria de saber se a Prefeitura tbém não é obrigada a fazer adequação nos passos publicos, principal nessas calçadas de acesso a vias.
É facilmandar mas cumprir que bom e dar bome exemplo nada disso né
 
maria das graças monteiro em 17/05/2011 09:33:55
Bem lembrado George!!!! Gostaria que o Campogendenews realiza se uma reportagem a respeito dos orgaos Municipais quanto a adequacao da suas proprias calcadas !!!! Deem uma olhada no Centro de atendimento ao Cidadao, ao lado da maternidade!!!! Para cobrar eles sao bons!!! nao que eu seja contra, nao fui notificado (por enquanto), mas ja estou me adequando a legislacao!!! A prefeitura tem que dar exemplo!!!
 
Assis Diniz em 17/05/2011 09:09:11
Nem todos estão se mexendo,afinal passo todos os dias pelo colégio Dom Bosco e por lá não há nenhuma movimentação,inclusive tem a Farmácia da UCDB que mão atende em nada as exigencias.Cadeirantes dividem diariamente a rua com carros,falta fiscalização naquela região.
 
Marta Alves em 17/05/2011 08:47:49
É isso aí George, e a calçada da prefeitura, nada?
 
Frederico Lobato em 17/05/2011 07:41:38
Estas calçadas táteis são pontos a favor daqueles que não podem ver, assim como os "elevadores" para cedeirantes, mas ainda falta muito o que ajustar para combinar as necessidades tantos dos portadores de necessidades especiais como para aqueles que não precisam destas necessidades. Os pisos táteis ajudam aos cegos mas quem não toma cuidado pode torcer o pé num destes, quanto aos elevadores, quase sempre os motoristas levam tempo demasiado porque a engenhoca é falha, custando mais tempo, essas questões não é culpa dos portadores de necessidades, mas são eles que são "amaldiçoados" por atrapalhar os demais, engenheiros facilitem a vida de todos!!! Da forma que está, uma rejeição por parte dos não portadores de necessidades está sendo alimentada, acabaremos por criar aversão aos portadores de necessidades especiais e isso tem que acabar!!!!!!!!!
 
Maria Santos em 17/05/2011 07:28:42
Engraçado é que a maioria das calçadas dos órgãos públicos (incluindo escolas, postos de saúde, os pródios do Parque dos Poderes, etc) não tem faixa tátil e alguns nem calçamento adequado.

O governo tem de começar a aprender a dar o exemplo, a aplicar em si suas próprias regras (leis) para só depois cobrar da população.
 
Caio Graco Araujo em 17/05/2011 07:22:45
Que a prefeitura,fiscalize pois estão apenas cortando a calçada e colocando o piso retratil sem consertar a calçada que esta deficiente.Verifique frente ao forum que as arvores destruiram toda calçada,os cegos sofrem para chegar ao instituto.
 
luiz carlos santos em 17/05/2011 07:01:18
O QUE É INCRÍVEL, É QUE A PREFEITURA COBRA QUE SE FAÇA CALÇAMENTO TATIL PRA QUEM VAI CONSTRUIR, REFORMAR OU ALGUMA EMPRESA, MAS, NA SEQUECIA DA MESMA CALÇADA - A DO VIZINHO - QUE É UMA RESIDENCIA, ESTÁ TODA QUEBRADA, IRREGULAR E A MESMA PREFEITURA NAO FAZ NADA. QUE LEI É ESSA? SÓ PRA ALGUNS? E POR FALAR NISSO, PQ A PREFEITURA NAO TEM ESSA CALÇADA?
 
LUCIANO MARQUES em 17/05/2011 07:01:00
Realmente tem muito empresário se adequando sim, só que estão esquecendo que existem normas e medidas específicas a prefeitura poderia alerta para que não haja erro no cumprimento delas.
 
JUNIOR PEREIRA em 17/05/2011 06:30:43
Para cobrar do contribuinte, a Prefeitura deveria ser a primeira a dar exemplo!
 
george conrado em 17/05/2011 06:24:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions