A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

12/01/2012 18:15

Trabalho de faculdade se transforma em ação solidária na região do lixão

Viviane Oliveira
A associação fica na rua Lúcia dos Santos, no bairro Lageado. (Fotos: Simão Nogueira)A associação fica na rua Lúcia dos Santos, no bairro Lageado. (Fotos: Simão Nogueira)

O que era para ser só mais um trabalho de faculdade se transformou em uma ação solidária, que beneficia famílias vizinhas ao lixão da saída para Sidrolândia, em Campo Grande. Há 5 meses, seis amigos se reúnem pelo menos três vezes por semana para exercer o voluntariado.

O Cidadão Feliz, nome dado ao projeto, surgiu em agosto, quando os amigos, ao desenvolver a atividade acadêmica no local, de cursos diferentes mas da mesma instituição, perceberam uma realidade que incomodou. “O pais iam trabalhar no lixão e as crianças iam juntas”, disse a diretora da associação Talita Faria Ferreira.

Foi criada, então, a Associação de Amparo as Mulheres e Crianças da região do Dom Antônio, que banca o projeto, por meio de doações.

Conforme Talita, o trabalho começa primeiro com os pais. Os voluntários visitam as casas para conhecer a história de cada criança e procuram ajudar no que eles mais precisam de imediato. “A gente explica que é tudo por meio de doação. Assim que vamos conseguindo as coisas a gente passa a ajudar as famílias também”, explica.

O foco da ação são as crianças de 5 a 10 anos. Atualmente 15 crianças estão cadastradas para atividades, três vezes na semana. No período oposto das aulas escolares, as crianças frequentam a associação. Lá, têm auxílio para as tarefas escolares, aula de informática, teatro, além do lanche, que os voluntários fazem questão de servir. Em um bairro tão carente, a refeição acaba funcionando como uma espécie de convite para o retorno.

“Nosso objetivo é trazer o maior número de crianças dos bairros Parque do Lageado, Dom Antônio Barbosa, Parque do Sol e Cidade de Deus. Nós sabemos que são crianças muito carentes e que a maioria delas têm problemas familiares”, afirma Talita.

Também voluntária do projeto, a acadêmica de pedagogia Valquíria Moreira Pereira disse que cada criança tem uma história diferente. "Queremos trazer essas crianças para associação, não é um trabalho fácil porque depende muito o incentivo dos pais", acrescenta.

Os voluntários visitam as casas para conhecer a história de cada criança e ajudam no que os pais precisam. Laida disse que quer fazer curso de cabeleireira. Os voluntários visitam as casas para conhecer a história de cada criança e ajudam no que os pais precisam. Laida disse que quer fazer curso de cabeleireira.

Força de vontade - Por enquanto muita coisa ainda sai do bolso dos voluntários, como por exemplo, o aluguel do salão usado para o projeto. Só para essa despesa são R$ 500, além da água, da energia e do lanche para as crianças.

Talita conta que o serviço de telemarketing para pedir doações é feito pelo próprio grupo. “Nós temos alguns parceiros, mas por enquanto eles ajudam apenas com materiais”.

Outra dificuldade é conseguir voluntários para as atividades oferecidas. A diretora explica que a associação conseguiu um voluntário para dar o curso de informática, mas falta profissional para fazer a manutenção dos computadores.

Visitas - Como antídoto aos obstáculos, o diferencial do grupo é a força de vontade para mudar pelo menos um pouquinho a história dessas crianças que vivem em uma das regiões mais pobre e violenta de Campo Grande.

O Campo Grande News acompanhou na tarde de ontem (11) as duas voluntárias, Talita e Valquíria, nas visitas às famílias na região do Dom Antônio Barbosa.

Márcia Surubi, 58 anos, avó de uma das crianças atendidas disse que a iniciativa das meninas é ótima. “Acho bom porque elas não ficam na rua, além de ocupar a cabeça com coisas saudáveis”, afirmou.

Outra residência visitada foi a de Laida Andréia Samulha, 33 anos, mãe de seis filhos, de 16, 14, 10, 8, 3 e 1 ano. Talita contou que conheceu Laida pedindo comida nas casas dos vizinhos.

Outro trabalho das voluntárias é fazer um questionário para saber qual curso profissionalizante as mães tem intenção de fazer. “Nós vamos saber o que elas querem para ir atrás de voluntários e materiais para o curso da preferência da comunidade”, afirma Talita.

Laida mora no residencial José Teruel, na Cidade de Deus, ela disse que quer fazer um curso de cabeleireira para montar um salão.

Almoço beneficente - No dia 12 de fevereiro, os voluntários irão fazer um almoço para arrecadar dinheiro para associação.

O almoço será servido no centro comunitário do Parque do Sol, na rua Evelina Selingardi, 854. Quem quiser fazer doação para o almoço, cujo cardápio terá bobó de frango, pode entrar em contato com a Talita no telefone 9205-8004.

Márcia disse acha bom o projeto porque evita das crianças ficarem na rua. Márcia disse acha bom o projeto porque evita das crianças ficarem na rua.
Durante discussão, adolescente de 17 anos é esfaqueado pelo amigo
Um jovem de 17 anos foi levado em estado grave para a Santa Casa após ser esfaqueado na noite deste sábado, na frente da casa em que mora no Bairro G...
Após furtar obra, ladrão é capturado por moradores e ferido a tiros
Marcio Estacio Duarte Teixeira, de 31 anos, foi socorrido a Santa Casa de Campo Grande após ser atingido por dois tiros na madrugada deste domingo (1...


Olá, parabéns meninas, moro em frente a essa associação e conheço um pouco a realidade do bairro, gosto muito do trabalho de vcs, continuem assim, vou ver no que posso ajudar e entro em contato.
 
Paulo Cezar em 13/01/2012 09:30:36
Talita, depois de tanto tempo, é muito bom saber de voce assim dessa forma. Deus abençoe a iniciativa de voces, espero que tudo de certo e que esse trabalho traga bons frutos a nossa sociedade tão sofrida, principalmente nessa região. DEUS ilumine a vida de voces, e mais uma vez estou muito feliz por tudo isso. PARABENS.
 
Wanderley Oliveira Lima em 13/01/2012 08:53:17
Olá leitores agradeço a todos os colaboradores da AAMCMS e peço a ajuda de todas as pessoas para continuar o nosso trabalho, pois sem as doações fica difícil continuar, responsabilidade social e dever de todos quem puder ajudar e só ligar no telefone (067) 3380.7300 para manter a instituição temos um custo muito alto, aceitamos todos os tipos de doações. Desde já agradecemos
 
Talita Faria Ferreira em 12/01/2012 09:15:07
Olá leitores bom com esse trabalho realizado diariamente na região do parque do sol, aprendemos que responsabilidade social e dever de todos, por esse motivo e que agradeço a todos os colaboradores da AAmc ms - Projeto Cidadão Feliz pela ajuda, e peço as pessoas que nos ajude a continuar esse trabalho, pois temos muito custo em manter o projeto e sem a ajuda do governo fica mais dificil continuar
 
Talita Faria Ferreira em 12/01/2012 08:49:19
Talita e Valquiria merecem os maiores elogios pela intenção,mas depois que inventaram essas bolsas malandragens esses carentes largam o pau a fazer filho e deixar p/ o povo criar.Vc procura uma mãe dessa p/ trabalhar elas n~querem,mas tb trabalhar pra que se a comida vem, trabalhando ou não?
 
Marcia Oliveira em 12/01/2012 08:30:18
Parabéns Talita e os demais voluntários; pessoas de coragem, guerreiras, dignas de serem exaltadas e imitadas pela sociedade como um todo.
 
Sidney Silva - Apucarana-PR em 12/01/2012 06:57:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions