A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

15/07/2016 16:14

Tribunal manda prender mulher que raptou bebê de maternidade em 2010

Sequestradora respondia pelo crime em liberdade, mas foi condenada a um ano e oito meses de reclusão

Anahi Zurutuza
Regina foi presa horas depois de raptar o bebê (Foto: Arquivo)Regina foi presa horas depois de raptar o bebê (Foto: Arquivo)

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul manteve, por unanimidade, a condenação da dona de casa Regina Celia Gomes, 45, que raptou um bebê da maternidade do HU (Hospital Universitário) de Campo Grande. Ela confessou o crime e alega que teve gravidez psicológica, mas a versão da acusação na época era de que a ré teria perdido um bebê no terceiro mês de gestação e forjado a gravidez até o fim, quando precisou encontrar um recém-nascido para manter a farsa. O objetivo era não perder o marido.

O crime aconteceu no dia 6 de setembro de 2010. Mas, Regina respondia o processo criminal contra ela em liberdade desde fevereiro de 2011.

Em 2012, a mulher foi condenada a dois anos e oito meses de reclusão no regime semiaberto. Contudo, a Defensoria Pública recorreu da decisão, e enquanto a sentença final não fosse dada, ela poderia ficar em liberdade, conforme a decisão dada há quatro anos.

Nesta semana, a 1ª Câmara Criminal do TJ-MS decidiu manter a condenação de Regina Celia, mas reduzir a pena para um ano e oito meses de reclusão em regime semiaberto.

Confissão – Tanto para a polícia, quanto para a Justiça, a ré confessou o crime. No depoimento, ela contou depois de descobrir que sua gravidez era psicológica, saiu de casa a fim de encontrar um bebê do sexo feminino, porque um suposto ultrassom que ela teria feito antes do aborto mostrou que ela esperava uma menina.

Os pais da criança e um funcionário do hospital foram ouvidos pela polícia e disseram que Regina se aproveitou do momento em que mãe do bebê dormia e tirou a criança do hospital.

O caso – Regina saiu do HU pela porta da frente, conforme matérias veiculadas pela imprensa na época.

A sequestradora tentou contratar um mototaxista em frente ao hospital. Diante da recusa do profissional, ela foi de táxi até o posto de saúde do bairro Coronel Antonino – no norte da Capital.

De lá, a mulher conseguiu encaminhamento de uma assistente social e foi levada de ambulância até o posto das Moreninhas – no sul da cidade. Depois de ser consultada, ela foi interceptada pela PM (Polícia Militar) quando andava pela rua horas depois do rapto, e foi encaminhada ao Presídio Feminino de Campo Grande.

Conforme apurou o Campo Grande News naquele ano, Regina tinha feito o enxoval para o bebê “que esperava”. A mulher já havia sido presa por tráfico de drogas e tem três filhos homens, mas nenhuma menina.

Laudos anexados ao processo atestam que Regina sofre de sérios transtornos mentais.

Juíza nega liberdade a mulher que sequestrou bebê no HU
A juíza de direito da Vara da Infância, Juventude e do Idoso, Katy Braun do Prado, negou o pedido de liberdade provisória da defesa de Regina Célia G...
Mulher presa por sequestro de bebê está na 6ª DP
Regina Célia Gomes, 30 anos, foi autuada em flagrante por sequestro qualificado porque a vítima tem menos de 18 anos. Ela foi presa ontem à tarde, ce...
Sequestradora diz que saiu com bebê pela porta da frente
Regina Célia Gomes, de 30 anos, presa nesta tarde depois de sequestrar um recém-nascido da maternidade do Hospital Universitário, em Campo Grande, co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions