ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Uma década após morte de idosa, suspeita de erro em quimioterapia será periciada

Norotilde Greco morreu aos 71 anos, em 2014, e viúvo alega negligência em atendimento na Santa Casa

Por Silvia Frias | 11/05/2024 12:28
Em agosto de 2014, corpos foram exumados na investigação da Polícia Civil (Foto: Arquivo)
Em agosto de 2014, corpos foram exumados na investigação da Polícia Civil (Foto: Arquivo)

Dez anos após a morte de Norotilde Greco de Araújo, os documentos referentes ao tratamento quimioterápico a que foi submetida, serão periciados, por determinação judicial. A medida atende pedido da Associação Beneficente Santa Casa de Campo Grande, ré no processo de ação de reparação por danos morais aberto pelo viúvo da idosa.

A morte de Norotilde, então com 71 anos, e de outras três pacientes de câncer da Santa Casa, foram amplamente divulgadas em 2014. A investigação da Polícia Civil constatou erro decorrente da manipulação de medicamentos e a negligência do Centro de Oncologia, por não seguir protocolo no tratamento da doença.

O pecuarista Wilson Camargo Greco, 77 anos, viúvo de Norotilde, abriu processo em maio de 2019, pedindo indenização, à época de R$ 229,4 mil. Foram denunciados, além da ABCG, o sócio-proprietário do centro, José Maria Nossa Ascenço, o médico oncologista Henrique Guesser Ascenço, a farmacêutica Rita de Cássia Junqueira Godinho Cunha, a enfermeira Giovana de Carvalho Penteado e o farmacêutico Raphael Castro Fernandes.

No decorrer do processo, a Justiça deferiu a desistência da ação em relação à Giovana de Carvalho Penteado e, posteriormente, a retirada dos outros profissionais da ação, restando apenas a Santa Casa.

No dia 18 de agosto de 2022, o juiz da 4ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos, Marcelo Andrade Campos Silva, deferiu o pedido da ABCG para produção de prova pericial médica indireta nos documentos e laudos existentes nos autos, com objetivo de constatar a conexão entre a conduta da Santa Casa e a morte de Norotilde.

Naquele período, o juiz nomeou o Centro de Atendimento Médico e Pericial de MS para a realização do trabalho, pedindo que se manifestasse para indicação de profissional. No mesmo despacho, indeferiu outro pedido da instituição, a de prescrição da demanda, avaliando que ainda é cabível a tramitação da ação.

No dia 17 de outubro de 2022, foi protocolado documento enviado pelo Centro de Atendimento Médico e Pericial de MS, alegando que não poderia assumir o trabalho, em decorrência da morte do médico responsável técnico e pedindo destituição.

Uma semana depois, a Justiça designou a empresa CPM Cury Serviços Médicos Ltda, do médico José Eduardo Cury para o trabalho.

Naquela fase, a Santa Casa, o pecuarista Wilson Greco e o Município de Campo Grande indicaram assistentes técnicos que vão acompanhar a perícia. Também listaram vários questionamentos que devem ser respondidos no trabalho. Em comum, perguntam se os procedimentos tomados levaram à morte da idosa.

Em fevereiro de 2023, Cury apresentou proposta de R$ 5,8 mil para realização da perícia, com pagamento de 100% no início do trabalho.

Em julho, a ABCG que pediu a perícia e será responsável pelo pagamento, contestou o valor, alegando que está acima da média do arbitrado em outras ações que a CPM Cury Serviços, atuou, variando de R$ 1,2 mil a R$ 2,2 mil.

Porém, em setembro daquele ano, o juiz indeferiu a contestação e homologou o pedido, mas aceitou recurso da ABCG para pagar apenas 50% do valor e, somente no término da perícia, o restante dos R$ 5,8 mil.

Em fevereiro de 2024, a ABCG entrou com agravo no TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) contra o viúvo da idosa e os profissionais que atendiam no Centro de Oncologia e haviam sido retirados da ação.

Segundo a defesa da Santa Casa, era necessária a reinclusão deles, “tendo em vista a responsabilidade exclusiva da empresa Centro de Oncologia e Hematologia MD Ltda, uma vez que foi responsável pelo atendimento oncológico da paciente, esposa do autor”. Por isso, avalia que deveria ser nula a extinção do feito em relação a José Maria e Henrique Ascenço, Rita de Cassia e Raphael Castro. A entidade não se opôs a exclusão de Giovana Penteado.

O desembargador Dorival Pavan recebeu o recurso no efeito devolutivo, ou seja, sem que se altere o que foi definido até agora. Os pedidos ainda serão avalidados.

Enquanto o pedido de reinclusão dos outros coréus não é julgado, a ABCG depositou os 50% determinados. A perícia foi marcada para dia 27 de maio.

O caso - No fim do mês de junho de 2014, Norotilde e outras três mulheres – Carmen Insfran Bernard, Maria Glória Guimarães e Margarida Isabel de Oliveira – foram submetidas à quimioterapia para tratamento de câncer no Centro de Oncologia e Hematologia MS, na Santa Casa.

Nas semanas seguintes, apresentaram inflação na mucosa intestinal e oral com ulceração, efeitos tóxicos de medicamentos quimioterápicos na medula óssea, resultando em queda no número de plaquetas no sangue e no número de glóbulos brancos no sangue.

Carmen Insfran morreu no dia 10 de julho daquele ano; Norotilde no dia 11 de julho e Maria da Glória no dia 12 de julho. Em agosto, durante a investigação, os corpos de três das vítimas foram ser exumado pela Polícia Civil. A quarta vítima, Margarida Isabel morreu meses depois, no dia 27 de janeiro de 2015.

Após a descoberta das irregularidades, o contrato da Santa Casa com o Centro de Oncologia foi encerrado, o setor fechado e os pacientes transferidos para tratamento em outros hospitais da Capital.

Em maio de 2016, os familiares de Carmen Insfran Bernard, Margarida Isabel e Maria Glória entraram com ações, com danos avaliados em R$ 1.056 milhão. No dia 2 de agosto de 2018, eles firmaram acordo com os réus, acertando indenização de R$ 220 mil e, com isso, a extinção da ação cível.

Absolvição - Em novembro de 2021, a Justiça decidiu absolver os cinco réus que respondiam a ação penal por homicídio culposo (sem a intenção de matar). O juiz Waldir Peixoto Barbosa avaliou que não havia provas suficientes para condená-los.

Sobre o caso atual, o advogado André Borges, que representou os réus, alega que as absolvições anteriores revelam “que houve exagero de quem investigou os profissionais da saúde” e que os “lamentáveis óbitos foram decorrentes das doenças ou de outras causas não especificadas”.

A reportagem tentou contato com advogado Sidnei Escudero, que representa Wilson Greco, mas não obteve retorno.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também