ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Variante da covid pode estar em MS há 3 meses

Avaliação é do secretário municipal de Saúde; em janeiro o Campo Grande News já havia publicado a suspeita de 3 casos

Por Ângela Kempfer e Clayton Neves | 18/02/2021 12:06
Fileira de exames rápidos para detectar a covid-19. (Foto: Kisie Ainoã)
Fileira de exames rápidos para detectar a covid-19. (Foto: Kisie Ainoã)

Há 3 meses, a Sesau (Secretaria Estadual de Saúde) passou a registrar mudanças no comportamento do coronavírus em Campo Grande. Segundo o secretário José Mauro Filho, em novembro do ano passado, durante novo pico da covid, foi verificada mortes em ritmo bem rápido, transmissão mais acelerada e cada vez pessoas mais jovens internadas. A causa pode ser aparecimento de nova variante do coronavírus na cidade. “Pode ser que a gente já esteja com essa nova variante desde novembro”, avalia o secretário.

Ele não sabe precisar quantas suspeitas há hoje de pacientes com essa nova variante, fala em “cerca de 50”, mas diz que a maioria é de Campo Grande.

Em janeiro, o Campo Grande News já havia antecipado que a Secretaria Estadual de Saúde investigava 3 suspeitas de pessoas com uma linhagem nova do coronavírus. Na ocasião, a diretora do Hospital Regional, Rosana Leite, comentou que houve casos de pacientes que morreram em apenas três dias, mostrando que o vírus poderia estar agindo mais rapidamente, de forma bem mais violenta.

Outro fator que levou as autoridades em saúde desconfiarem da possibilidade, é o fato da segunda onda ter matado mais pessoas que a primeira, apresentando características diferentes da primeira onda, que ocorreu entre março e setembro do ano passado.

“De alguns óbitos de dezembro, a SES conseguiu exames e separou casos pra fazer o sequenciamento genético”, disse Rosana. Ela informou ainda que não há previsão de resultados e que exames desse tipo demoram bastante.

Foram colhidas amostras de 1 pessoa de Campo Grande, outra de Corumbá e a última de Fátima do Sul, mas os resultados ainda não chegaram.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário