ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  25    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Vizinho envenenou ao menos 4 cachorros antes de ser preso

Homem contou que usava veneno de rato misturado com carne para matar os animais

Por Ana Paula Chuva e Clayton Neves | 31/08/2020 12:48
Rua Aparecida Secco Thomé, onde os cachorros foram envenenados. (Foto: Clayton Neves)
Rua Aparecida Secco Thomé, onde os cachorros foram envenenados. (Foto: Clayton Neves)

Ao menos quatro cachorros foram envenenados pelo homem de 32 anos, preso no final da tarde de domingo (30) no Jardim Vida Nova, em Campo Grande.  À polícia ele assumiu o crime e segundo os vizinhos a família tentou esconder as comidas envenenadas pelo homem.

Na Rua Aparecida Secco Thomé, a fala é unânime sobre ninguém ter tido problema com o homem, por isso a sensação de estranheza com o acontecido. Segundo Penha Regina, dona de casa, 53 anos,  o vizinho sempre foi um cara tranquilo e trabalhador.

“Nunca tive problema com ele. Ele é um cara tranquilo. Estranhei que isso aconteceu. Ele estava bêbado ontem e disse pra um outro vizinho nosso que tinha matado um monte de cachorro e ia matar o resto”, disse Penha.

Ela é dona de duas cadelas, a Bela de seis meses que está bem debilitada e a Menina de 13 anos que não teve nenhum sintoma de envenenamento. “Eu acho que ele envenenou a ração, porque a Bela só come ração e ficou bem mal. Mas a outra que só come comida está bem. É uma situação bem difícil, porque a gente cuida e acaba acontecendo isso”, desabafou.

Bela não consegue andar e está bem debilitada. (Foto: Clayton Neves)
Bela não consegue andar e está bem debilitada. (Foto: Clayton Neves)

Outra vítima do envenenamento, a cadela Jurema, passou dias sem deixar Edivirges Marques da Silva, 45 anos sem dormir. “Ela passou mal, acho que comeu algum pedaço de comida deixado por ele com veneno. Passou a noite agonizando, não me deixava dormir. Ela emagreceu, ficou vomitando uma espuma”, explicou.

Ao Campo Grande News, ela contou que precisou fazer uma diária para pagar a medicação da cadela.

“O veterinário queria cobrar R$ 60 a consulta e mais R$ 95 para fazer o exame, eu não tinha condições. No fim paguei R$ 145 com medicação, fiz uma diária no valor de R$ 150 para pagar isso”, destacou.

Outra vítima do envenenamento, mas que não resistiu foi o Negão, o dono de 22 anos que não quis se identificar, contou que o cachorro não tinha nem um ano, ficou dias sem comer e beber e acabou não resistindo. “Ele morreu no sábado, foi bem difícil”, contou.

Os vizinhos ainda relatam que existe um quarto cachorro que foi envenenado pelo homem. “É um cachorro rottweiller de outro vizinho, está passando mal também. Todos os cachorros ficaram iguais, pararam de comer e de beber e ficaram passando mal”, afirmaram a reportagem.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário