A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

01/11/2013 17:30

Casos que chocam e revoltam, MS tem 210 crianças vítimas de violência

Viviane Oliveira
Alex atua no Conselho Tutelar da área sul, há 2 anos e meio. Ele diz que as denuncias envolvendo casos violência contra crianças tem aumentado. (Foto: Cleber Gellio) Alex atua no Conselho Tutelar da área sul, há 2 anos e meio. Ele diz que as denuncias envolvendo casos violência contra crianças tem aumentado. (Foto: Cleber Gellio)

Nos últimos dois meses três casos de violência no Estado envolvendo crianças chamou atenção pela brutalidade e sangue frio dos agressores. Em dois deles, as vitimas que tinham menos de dois anos, foram espancadas até a morte. 

De acordo com o psicólogo e conselheiro tutelar do Conselho Sul, em Campo Grande, Alex Fabiano de Lima, de janeiro até agora, foram registrados em todo Estado 210 casos de violação do direito da criança, entre violência sexual, psicológica e agressão física.

No ano passado no mesmo período foram registrados 158 casos a mais, segundo dados do Sipia (Sistema de Informação para Infância e adolescência), sistema de informação dos Conselhos Tutelares.

O conselheiro explica que os números podem ser ainda maiores, pois muitos casos não são registrados. “O sistema ainda é falho, acredito que esse número seja ainda maior”, diz, acrescentando que boa parte das agressões acontece dentro de casa.

Para Alex a violência sempre existiu, mas era mais velada. Hoje a questão que envolve violação de direitos da criança e do adolescente tem sido difundida pelos meios de comunicação e pelos órgãos envolvidos. “O que a gente tem observado é que a maioria dos casos acontece dentro da família com crianças menores de 11 anos”, destaca.

As denúncias chegam por meio do disque 100, de escolas e unidades de saúde. “Esses órgãos têm por obrigação entrar em contato com o Conselho Tutelar toda vez  que tiver a suspeita de violência contra crianças. O Conselho não executa, mas direciona para os órgãos competentes, em caso de crime, é acionada a Polícia”, explica.

Marca de sangue ficou no quarto, onde Braian dormia. (Foto: Osvaldo Duarte)Marca de sangue ficou no quarto, onde Braian dormia. (Foto: Osvaldo Duarte)

Alex, que atua no Conselho Tutelar Sul, no bairro Aero rancho há 2 anos e meio, diz que os casos relacionados ao abuso sexual e vulnerabilidade extrema contra crianças abaixo de 5 anos são os casos que mais sensibilizam.

Recentemente, em Campo Grande, uma criança de dois anos foi torturada pelo namorado da mãe. O acusado Jhonnis Alberto Gomes Corrêa, 21, chegou a colocar a criança em uma máquina de lavar roupas funcionando, além das agressões.

No último dia 21, em Dourados, Braian de Souza Silva de 1 ano e 8 meses, foi espancado até a morte pelo padrasto, Davidson Correia dos Santos, 25. Segundo informações da Polícia, Davidson surrou o menino a tapas, socos e chegou a chutar a criança, que foi arremessada e caiu sobre uma mureta na sala. A criança chegou a ser socorrida, mas morreu no hospital.

No dia 30 de setembro, também em Dourados, um bebê de cinco meses morreu no hospital com suspeita de espancamento. No corpo da criança, havia hematomas, lesões e uma fratura na cabeça, que causou traumatismo. O acusado pelo crime, José Fernandes de Freitas, 36, que havia dado abrigo para a mãe do bebê em sua casa, junto com a esposa e mais duas crianças.

Justiça decreta prisão de padrasto que colocou menina em máquina de lavar
Foi decretada a prisão preventiva do padrasto da criança que foi espancada e teve a cabeça colocada em uma máquina de lavar roupas ligada. O acusado ...
Padrasto colocou cabeça de criança em máquina de lavar roupas ligada
A tortura na qual um jovem de 21 anos é acusado de cometer contra uma menina de 2 anos e 4 meses, além da mãe da criança, revelou uma crueldade que a...
Homem sequestra mulher em casa, tortura e abusa de enteada de 2 anos
Um homem de 21 anos foi preso, no domingo (27) no Jardim Bálsamo, em Campo Grande, suspeito de abusar sexualmente de uma menina de 2 anos e 4 meses e...


Durante 10 anos as crianças vítimas e seus agressores foram atendidas por uma entidade Rede Criança. Quando esse governo que esta aí chegou, dispensou os serviços, encerrando a locação do imóvel que servia ao atendimento, com a alegação de que os atendimentos futuros seriam realizados pelos CAPs. De lá para cá, todos sabem o que aconteceu e acontece. Parabéns aos gênios que "solucionaram" o problema, não é? Nem psicólogo para atender aos conselheiros tem...essa entidade é a que atendia aos conselhos tutelares e abrigos da cidade. E agora?
 
Helen Duprat em 02/11/2013 11:42:37
ABSURDO C ADA DIA TA PIOR VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS ISSO REVOLTANTE,,, POIS MAIOR CULPA DISSO NOSSA LEIS FALHAS DEMAIS,, NADA ACONTECE COM ESSES MONSTROS ,,, AS LEIS DEVERIAM SER MAIS SEVERAS COM ESSES BANDIDOS , OS DIREITOS HUMANOS DEVERIAM OLHA MAIS POR NOSSA CRIANÇAS E NÃO PARA ESSES INSENSÍVEIS,,,,
 
ROSILENE LEOENEL em 02/11/2013 08:21:44
Não só em nosso estado mas em todo o país deveria haver uma campanha para controle de natalidade, o que vemos hoje são jovens sem qualquer condição de ter filhos engravidando e sendo engravidadas antes dos 20, as vezes antes dos 15 anos, isso é absurdo a pessoa não sabe nem o que quer da vida e de repente já é pai ou mãe de uma criança, o governo não investe mais em campanhas auxiliando o uso da camisinha, isso só é feito no carnaval, será pressão da igreja católica? Eu não entendo isso, sou católico mas não sou burro, sei que existem doenças, risco de gravides indesejada, enfim, tem que educar logo senão não sei onde vamos parar, podem observar que os pais agressores e assassinos geralmente são pessoas com menos de 30 anos.
 
maximiliano nahas em 01/11/2013 17:59:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions