A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

07/12/2017 22:22

Cassems aprova mudança de contribuição de servidores com dependentes

Nyelder Rodrigues
Votação contou com cerca de 1 mil servidores nesta quinta-feira (Foto: Divulgação)Votação contou com cerca de 1 mil servidores nesta quinta-feira (Foto: Divulgação)

Foi aprovado por maioria de votos em Assembleia Geral Extraordinária realizada nesta quinta-feira (7) pela Cassems a mudança da contribuição feita dos servidores, atualmente estipulada em 6% universalmente. Os beneficiários sem dependentes seguirão pagando o valor mesmo percentual, mas os demais terão valores acrescidos.

De acordo com a assessoria de imprensa da Cassems, cerca de 1 mil servidores compareceram ao encontro, realizado no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, no Parque dos Poderes. A discussão para realizar as mudanças surgiu após o ingresso de diversas ações por casais de servidores, gerando perda anual de R$ 10 milhões.

No caso de casais de servidores, a contribuição cobrado será em cima do que tiver o maior salário entre os dois, entrando o membro com menor salário como dependente. O valor será de 7% para titular com apenas um dependente.

Já no caso de titular com dois dependentes, o índice ficará em 7,25%, subindo para 7,5% para quem tiver três ou mais dependentes. A mudança inclui 25,5 mil titulares. Os beneficiários que são casais de servidores somam 4,5 mil. Os demais 22 mil servidores, sem dependentes, seguem contribuindo com os mesmos 6%.

"Embora a Caixa dos Servidores seja um dos melhores planos de saúde de autogestão do Brasil, não está imune ao tenso cenário da saúde suplementar. Por isso, temos que vencer coletivamente os desafios apresentados e buscar alternativas para manter a mesma qualidade de atendimento", frisa o presidente da Cassems, Ricardo Ayache.

A atuária da Cassems e consultora da Empresa Oxxy Result, Jaqueline Barbosa, explica como foram feitos os cálculos que foram apresentados na Assembleia Geral Extraordinária.

"Nós trabalhamos com a experiência da Cassems e o que influencia é o perfil da sua carteira, a proporção dos dependentes e do envelhecimento da população. Além disso, o salário do servidor teve ajuste de menos de 3%, então, a receita da Caixa dos Servidores também recebeu esse valor, porém, o custo assistencial cresceu acima de 10%", frisa Jaqueline.

Ela ainda completa que "se a gente projetar para o futuro, com a saída de titulares cônjuge e as retenções da ANS (Agência Nacional de Saúde), a Cassems chegará a uma insuficiência. Então, foi em cima disso que a gente calculou a perda da receita e quanto deveria ser o aumento para garantir a sustentabilidade do plano".

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions