ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  07    CAMPO GRANDE 19º

Cidades

Com fim da greve, Seinfra informa que obras em rodovias foram retomadas

Após fim da paralisação da categoria, secretaria informa que serviços de manutenção e construção nas estradas voltaram à normalidade

Por Humberto Marques | 04/06/2018 15:20
Canteiros de obras foram paralisados em virtude da greve dos caminhoneiros. (Foto: Chico Ribeiro/Segov)
Canteiros de obras foram paralisados em virtude da greve dos caminhoneiros. (Foto: Chico Ribeiro/Segov)

A Seinfra (Secretaria Municipal de Infraestrutura) informou nesta segunda-feira (4) que os serviços de manutenção e construção de rodovias, suspensos parcialmente durante a greve dos caminhoneiros, voltaram à normalidade. Frentes de trabalho já retomaram os serviços ou aguardam a chegada de insumos para a execução dos empreendimentos.

Entre esta segunda e terça-feira (5), são aguardados materiais para o reinício de intervenções na MS-040, em Campo Grande, que liga a cidade até Santa Rita do Pardo (a 266 km da Capital).

O mesmo ocorre na MS-178, entre Bonito e Jardim, que passa por serviços de pavimentação que foram paralisados na semana passada devido aos bloqueios de estradas pelo Estado –que impediam a chegada de materiais e combustíveis ao interior.

A previsão é de que o canteiro de obras seja reativado nesta semana. A Controladoria de Obras Viárias da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) contabilizou atraso de dez dias nos serviços.

Também foram retomados nesta segunda os serviços de tapa-buracos e nivelagem em rodovias estaduais e estradas vicinais, com técnicos e equipamentos das 17 regionais da Agesul sendo mobilizados para os serviços em vias pavimentadas e sem asfalto.

A greve dos caminhoneiros se arrastou por cerca de dez dias, sendo desmobilizada a partir de 26 de maio, com decreto do presidente Michel Temer prevendo o uso das Forças Armadas para desbloquear rodovias e garantir a distribuição de combustíveis entrou em vigor. Tal medida garantiu o reabastecimento em postos e, a partir de propostas prevendo a desoneração do diesel, o movimento começou a perder força.