A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

29/05/2012 13:54

Divulgação de salários a partir de junho permitirá fiscalização, diz CGU

Lourenço Canuto, da Agência Brasil

A publicação no Portal da Transparência do Governo Federal dos salários dos servidores civis do Poder Executivo, prevista para começar a partir de 30 de junho, "visa a apenas mostrar ao cidadão a aplicação do dinheiro com que ele paga os impostos”, explicou hoje (29) o ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage.

A relevância da exposição dos salários dos servidores, segundo ele, é “fazer com que a população participe da observância do teto dos salários e que tenha conhecimento de toda a aplicação do dinheiro público”.

Ainda conforme Jorge Hage, “deve ser um princípio, mostrar transparência, e só pode haver exceção nas despesas públicas quando elas coloquem em risco a segurança do Estado ou nos casos em que o sigilo bancário esteja garantido por leis específicas", argumentou.

O ministro lembrou que portaria interministerial publicada ontem (28) no Diário Oficial da União determina cronograma para a disponibilização desses dados. Outros prazos são 30 de julho para divulgação das verbas remuneratórias do pessoal das Forças Armadas e 30 de agosto para as verbas indenizatórias - relativas a hora-extra, vale-refeição e diária, entre outras – dos servidores civis e militares.

O ministro falou na abertura do 2º Encontro de Corregedorias do Poder Executivo Federal, que se realiza no Espaço ParlaMundi da Legião da Boa Vontade, na Asa Sul.

A corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Eliana Calmon, também presente ao encontro, revelou que "há desembargadores no país que chegam a ganhar até R$ 120 mil por mês e há juizes que ganham R$ 80 mil, R$ 60 mil ou R$ 40 mil". Ela disse que há no Poder Judiciário "muita resistência em se dizer quanto se ganha".

Hage defende que "não é novidade encontrar no topo da administração pública salários de R$ 26 mil", que é o quanto ganha um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), valor que não pode ser ultrapassado.

"O problema é saber onde esse teto está sendo ultrapassado no Poder Executivo", explicou. O controle das folhas de pagamento, segundo o ministro, "é feito com rigor pela Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão".

Mega-Sena acumula de novo e prêmio estimado sobe para R$ 43,5 milhões
Mais uma vez a Mega-Sena ficou sem vencedor na faixa principal e, com isso, a premiação acumulou e pode chegar a R$ 43,5 milhões no próximo concurso,...
Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions