A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

11/12/2009 13:02

Dois anos após crime, acusados de matar Dudu vão a júri

Redação

Dois após o cruel assassinato do estudante Luiz Eduardo Martins Gonçalves, 10 anos, os acusados pelo crime vão a júri popular em fevereiro de 2010 e poderão ser condenados a mais de 30 anos de reclusão em regime fechado.

O juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, Aluízio Pereira dos Santos, pronunciou o ex-padrasto da vítima, José Aparecido Bispo da Silva, o Cido, e Holly Lee de Souza, de 19 anos, por homicídio doloso qualificado, com os agravantes de motivo torpe, meio cruel, recurso que dificultou a defesa da vítima, ser uma criança com 10 anos de idade, ocultação de cadáver e concurso de pessoas.

O magistrado desconsiderou o laudo de insanidade mental apresentado pela defesa de Holly, que queria a sua absolvição com base na avaliação médica de que ele sofre de problemas mentais. Também determinou a manutenção da prisão dos dois até o julgamento, previsto para fevereiro, em decorrência da repercussão do crime. Eles estão presos desde março deste ano.

Enigma - Por vários meses, o desaparecimento de Dudu mobilizou os pais, familiares e a comunidade dos bairros Aero Rancho e Jardim das Hortênsias, na saída para Sidrolândia. Até deputados se sensibilizaram com o drama da família e intermediaram reuniões com o secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Francisco Jacini.

Vários delegados participaram da investigação, passando pela DPCA (Delegacia de Proteção da Criança e do Adolescente), 7ª Delegacia de Polícia e Deaij (Delegacia de Atendimento à Infância e Juventude).

Durante as investigações, policiais chegaram a quebrar a casa de Cido, mas o ex-padrasto da criança negava envolvimento no crime e nenhum indício foi achado. Somente com a apreensão dos adolescentes, a Polícia Civil começou a desvendar o crime, mais de um ano após o desaparecimento da criança.

O crime - De acordo com a denúncia do MPE (Ministério Público Estadual), Cido contratou três adolescentes e Holly para pegar Dudu e mata-lo como forma de vingança pelo fim do relacionamento com Eliane Aparecida Nascimento Martins, mãe de Dudu. Ele pagou em dinheiro e uma arma de fogo.

Dudu brincava com os amigos no final da tarde de 22 de dezembro de 2007, na esquina da Avenida Rachel de Queiroz com a Rua Damianópolis, no Jardim Aero Rancho, quando foi pego por Holly e os três adolescentes, dois meninos e uma menina. Eles o agrediram a socos e pontapés.

Depois, o levaram para a residência de Cido, na Rua Crevelândia, 1.956, no mesmo bairro, onde o ex-padrasto também o agrediu a socos e pontapés. As agressões continuaram num terreno baldio conhecido como "mangal" e "cemitério dos cachorros" até a criança morrer.

Em seguida, os três colocaram o corpo de Dudu dentro de um veículo Fiat e o levaram até um tereno baldio localizado no quadrilátero formado pelas ruas Eva Perón, Divisão, Paschoal Carlos Magno e dos Pereira, onde o enterraram.

Pedaços e fogo - Alguns dias depois, Cido e Holly, segundo a denúncia, voltaram ao local, desenterraram o cadáver da criança e o cortaram em vários pedaços, incluindo-se os ossos, e atearam fogo. Os restos mortais foram enterrados novamente no mesmo local.

Os meios cruéis adotados no crime chocaram a comunidade local e até os envolvidos na investigação. Alguns detalhes foram descritos por Holly no depoimento feito, na presença do advogado, à Polícia Civil. Em juízo, ele voltou atrás e negou qualquer participação no crime.

Os dois acusados negaram qualquer participação no crime. O advogado de Cido, José Roberto Rodrigues da Rosa, afirmou que irá provar a inocência do seu cliente no júri popular. Se a defesa recorrer ao Tribunal de Justiça, o julgamento poderá ser suspenso até o julgamento do recurso.

Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada de acesso ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions