A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

26/10/2010 22:59

Dupla que matou vereador não tinha passagem pela polícia

Redação

O eletricista Ireneu Maciel, o "Vaca Magra", de 37 anos, e o comerciante autônomo Aparecido de Souza Fernandes, de 34 anos, autores do assassinato do presidente da Câmara de Alcinópolis, vereador Carlos Antônio Costa Carneiro (PDT), ocorrido hoje em Campo Grande, não possuíam passagens pela polícia até esta terça-feira, de acordo com dados coletados junto ao Sistema Integrado de Gestão Operacional da Polícia de Mato Grosso do Sul.

Ireneu nasceu em Ponta Porã e atualmente morava na rua Serra da Mantiqueira, no Residencial Serra Azul, na Capital. Já Aparecido é natural de Rio Branco (MT) e, com base em informações policiais, não constam detalhes sobre sua residência em Campo Grande.

Nesta terça-feira, por volta das 12h20, Ireneu abordou Carlos Antônio no cruzamento da rua Guia Lopes com a avenida Afonso Pena, bairro Amambaí, quando a vítima saía do Hotel Vale Verde. O vereador levou três tiros, que atingiram seu rosto, peito e abdômen.

No momento em que Ireneu desferiu os tiros contra Carlos Antônio, uma viatura descaracterizada da polícia passava pelo local e viu a vítima caída no chão e o autor fugindo em uma moto Yamaha YBR, de cor preta, placas HSN-2741.

A viatura da polícia seguiu Ireneu, que parou a motocicleta no cruzamento das ruas Vasconcelos Fernandes e 26 de Agosto. No local, Aparecido subiu no veículo, mas a dupla não percebeu que era seguida.

Na rua Engenheiro Roberto Mange, o policial que conduzia a viatura descaracterizada emparelhou o veículo junto à moto e se identificou, ordenando que Ireneu parasse a moto. Ele acelerou a Yamaha para fugir, enquanto Aparecido, que também estava armado, passou a atirar contra a viatura.

Em certo momento da fuga, Aparecido jogou a arma, mas logo os dois caíram com a motocicleta. Eles foram presos.

Questionado sobre o motivo que Ireneu teria para matar o vereador, ele respondeu que era "encomenda" e que receberia R$ 20 mil pelo crime. No entanto, Ireneu não quis dizer à polícia quem era o mandante do homicídio.

Uma viatura do Garras (Grupo Armado de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros) encaminhou Ireneu e Aparecido à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário). Eles prestaram depoimento ao delegado João Reis.

O Corpo de Bombeiros foi até o local do crime na tentativa de socorrer o vereador, mas ele já estava morto.

Na Depac, Ireneu confirmou ser o autor dos disparos que mataram Carlos Antônio. Aparecido, no entanto, negou sua participação no crime.

Valdemir Valsan, cunhado de Ireneu, também foi interrogado na Depac. Segundo o delegado João Reis, ele pode ter sido o intermediador do crime, tendo inclusive contratado a dupla para dar fim ao presidente da Câmara de Alcinópolis. Só que ele também negou participação no crime.

Uma irmã de Ireneu também foi até a Depac prestar depoimento, mas acabou sendo liberada. No mesmo instante, a mulher de Carlos Antônio, Mara Simone Carneiro, foi ouvida no Garras.

Após o interrogatório, Ireneu foi encaminhado ao 6º Distrito Policial, Valdemir à 3ª Delegacia de Polícia Civil e Aparecido permaneceu na Depac.

Charles Cruyff Fernandes, irmão de Mara Simone e cunhado da vítima, disse ao Campo Grande News que o corpo do vereador seria velado por um tempo em Campo Grande, já que ele tinha muitos amigos na cidade e depois seguiria escoltado por um comboio até Alcinópolis.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions