A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

16/09/2015 11:51

El Niño deve causar calor acima dos 40ºC durante a primavera em MS

Flávia Lima
Calor será marca da primavera, especialmente em outubro. (Foto:Marcos Ermínio)Calor será marca da primavera, especialmente em outubro. (Foto:Marcos Ermínio)

Marcada por constantes ondas de calor, a primavera deverá ter temperaturas bem acima da média devido a ação do fenômeno El Niño em Mato Grosso do Sul, que, de acordo com prognóstico elaborado pelo meteorologista Natálio Abrão, deve manter temperaturas acima dos dois graus celcius no Oceano Pacifico Equatorial.

Com isso, diversas regiões do país, incluindo o Centro-Oeste, podem sofrer consequências devido ao aquecimento global nos próximos 24 meses.

O resultado serão estiagens severas no Nordeste brasileiro, fortes pancadas de chuvas em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além de chuvas fortes no sul do país, acompanhadas de ventos, rajadas e granizo.

No Estado, onde as temperaturas voltaram a ficar em elevação depois de uma semana de chuvas intensas, a tendência é que os termômetros continuem subindo, marcando 40ºC. As mínimas também ficam até dois graus acima e as máximas podem chegar até a cinco graus acima do esperado.

Prevista para começar às 5h20 da próxima quarta-feira (23), a nova estação, que terá duração de três meses, vai trazer ao Estado uma forte onda de calor nesse período. No entanto, o calor mais intenso será registrado em outubro, quando as temperaturas deverão ultrapassar os 35ºC e podem chegar a mais de 41ºC devido a forte radiação solar e da maior frequência de dias com manhas de céu claro.

De acordo com Natálio Abrão, tanto as regiões norte e oeste quanto a região central, serão as que mais irão sentir essa forte onda. Com isso, Campo Grande, Corumbá, Ladário, Três Lagoas, Coxim, Sonora, Alcinópolis, Cassilândia e Pedro Gomes devem apresentar temperaturas entre 35ºC e 42ºC em outubro e até em novembro.

“Esses valores irão caracterizar os meses mais quentes do ano e provavelmente da década no Estado”, ressalta o meteorologista.

Quanto ao clima seco que castigou o sul-mato-grossense durante o inverno, o prognóstico indica, para a primavera, um quadro mais ameno. Porém, valores mínimos abaixo dos 30% poderão ser observados em alguns dias no mês de outubro.

Chuvas fortes - Como a estação indica o início na mudança do regime de chuvas e temperaturas no Estado, as chuvas serão mais intensas, podendo provocar enchentes e inundações, principalmente à tarde e inicio da noite.

Conforme previsão do meteorologista, as pancadas de chuvas podem ser as mais fortes dos últimos anos no centro-sul do Estado, por isso ele alerta a Defesa Civil quanto a possibilidade de inundações e transbordamentos nas bacias das regiões em Dourados, Rio Brilhante, Ivinhema, Angélica e no extremo sul entre Amambai, Sete Quedas, Mundo Novo, Iguatemi e Navirai, além de Campo Grande.

Já nas regiões norte e nordeste de Mato Grosso do Sul, as chuvas previstas ocorrerem abaixo da média. No extremo sul do Estado, a probabilidade indica 35% de chuva dentro do histórico.

Para a grande área central do Centro-Oeste, as análises sugerem o início da estação chuvosa no fim da primeira semana de outubro.

A forte influência do El Niño acarretam muita umidade e nuvens carregadas no Centro-Oeste, produzindo chuvas mais fortes com pequenos veranicos no fim da estação.

Nas regiões norte e nordeste, as chuvas começam em Outubro e seguem até novembro, com pancadas de chuva e trovoadas que este ano podem ser mais fortes nos fins de tarde e a noite. As chuvas nessas regiões devem ficar abaixo das médias em toda a estação, principalmente Chapadão do Sul, Costa Rica, Cassilândia e Paranaíba.

Nas regiões central e leste, entre Campo Grande, Ribas do Rio Pardo, Água Clara e Três Lagoas, a possibilidade de ocorrer precipitações dentro da média é de 45%.

A região oeste deve registrar chuvas dentro da média histórica, principalmente em Miranda, Corumbá, Ladário, Nhumirim e Bodoquena.

A regularidade da chuva não deverá ser marcante. Serão dias com pancada de chuva intercalados com períodos fracos de estiagem que podem ocorrer principalmente no mês de novembro.

Ventos - Durante a primavera, as pancadas de chuva frequentemente são acompanhadas de trovoadas e rajadas de ventos, alguns acima dos 60km/h, além de intensa atividade de descargas elétricas, raios e relâmpagos. Essas nuvens de trovoadas são originadas devido ao aumento do calor e do aumento da umidade que se intensificam gradativamente no decorrer da estação.

Outro fator é a formação de complexos convectivos, ou seja, sistemas localizados que podem gerar forte chuva em apenas alguns bairros da cidade.

A formação de fortes rajadas ocorre devido ao aumento nas temperaturas a partir do final do inverno. O encontro de massas de ar mais quente e algumas frentes frias mais intensas entrando pelo sul do estado, principalmente em outubro e novembro, devem provocar ventos fortes na região centro-sul, entre Campo Grande, Dourados, Ponta Porã, Amambai e Sete Quedas, além de Angélica, Ivinhema, Novo Horizonte e Navirai, no centro-sul do estado.

A atenção deverá se redobrada principalmente quando esses eventos ocorrem à noite e nas madrugadas.

Marcada pela transição, entre o inverno e o verão, estação também terá fortes pancadas de chuvas na Capital. (Foto:Marcos Ermínio)Marcada pela transição, entre o inverno e o verão, estação também terá fortes pancadas de chuvas na Capital. (Foto:Marcos Ermínio)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions