A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Junho de 2017

04/06/2014 15:25

Ex-secretário, ex-vereador e ONG são condenados 15 anos após escândalo

Caroline Maldonado

A Justiça condenou por improbidade administrativa o ex-secretário do Trabalho, Emprego e Renda de Mato Grosso do Sul, Agamenon Rodrigues do Prado, o ex-vereador de Campo Grande, Cristovão Silveira, e a ONG Projeto Ação em Vida. Eles foram denunciados pelo MPF (Ministério Público Federal) por uso ilegal de verba pública e publicidade indevida. Os réus recorreram da decisão, mas o recurso foi indeferido.

De acordo com o órgão, Agamenon autorizou acréscimo indevido de pagamento à ONG, que ministrou cursos para população, com recursos do FAT (Fundo de Assistência ao Trabalhador). Cristovão foi condenado porque os certificados e apostilas dos cursos continham publicidade dele.

De acordo com o MPF, Agamenon e Cristovão foram condenados à perda dos direitos políticos por três anos, além de multa. A ONG não poderá ser contratada pelo poder público, receber benefícios ou incentivos fiscais e creditícios por cinco anos. O ex-secretário Agamenon e a ONG devem ainda ressarcir a Governo Federal em R$ 18 mil, corrigidos monetariamente a partir de 1999.

Pagamento irregular – Em 1999, a Secretaria Estadual do Trabalho, Emprego e Renda firmou dois contratos (86/1999 e 110/1999) com o Governo para repasse de recursos do FAT, que foram aplicados em qualificação profissional gratuita à população. Para realizar cursos de informática básica e gestão pessoal, foi contratada a ONG Projeto Ação em Vida.

De acordo com investigações do MPF, dois meses depois de assinados os contratos, a entidade pediu e recebeu R$ 18 mil, além dos R$ 108 mil já pagos pela secretaria para realização do curso. O acréscimo foi justificado pela necessidade de readequação dos alunos em sala de aula e reajuste do preço hora/aula, de R$1,80 para R$ 2,34.

O recurso foi autorizado por Agamenon, sem nova licitação e justificativa, ou seja, de maneira indevida, segundo o MPF, que argumentou não haver “nenhuma razão de interesse público que amparava a celebração do aditivo”.

A reportagem entrou em contato com o escritório da advogada de Agamenon, Maria Celeste da Costa, que não estava no local e ainda não retornou o contato. Agamenon foi procurado nos telefones que usava à época de secretário e não foi localizado.

Propaganda nas apostilas - Segundo o MPF, publicidade do ex-vereador Cristovão Silveira foi impressa nos certificados e apostilas entregues aos alunos, o que fez parecer que o curso havia sido promovido por ele e não pelo Governo Federal. A Justiça decidiu que houve promoção pessoal por parte do político, que ocupou o cargo de parlamentar por cinco mandatos.

Segundo o MPF, Cristovão Silveira contestou a condenação por improbidade administrativa alegando que não sabia que seu nome estava presente nos materiais e não havia autorizado o uso. Ele confirmou ter sido ligado à ONG, mas negou envolvimento com o recebimento de recurso indevido.

O advogado de Cristovão, Heitor Miranda Guimarães, foi procurado pela reportagem, mas seu secretário informou que ele só poderia atender no período da tarde, o que ainda não aconteceu.

A ONG é defendida pelo advogado Antonio Pedro Marques, que foi também procurado pela reportagem. A secretaria do escritório informou que ele está de licença e só poderá atender daqui 30 dias.

Como a sentença é de primeira instância, cabe recurso nos tribunais superiores.

Prefeitura abre 56 vagas para profissionais de educação física
Processo seletivo aberto da prefeitura quer contratar 56 profissionais de educação física para atuar no programa “Movimenta Campo Grande”. Os salário...
Concurso da Câmara de Ribas do Rio Pardo com 20 vagas inscreve até 7 de julho
Terminam no dia 7 de julho as inscrições do concurso público da Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo, distante 103 quilômetros de Campo Grande. No ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions