A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

22/09/2013 08:08

Epidemia de dengue tipo 4 não é descartada por autoridades de Saúde

Luciana Brazil
Agente de Saúde faz visita em residência na Capital. (Foto:Arquivo)Agente de Saúde faz visita em residência na Capital. (Foto:Arquivo)

Uma nova epidemia de dengue, desta vez do tipo 4, pode atingir Mato Grosso do Sul, segundo a diretora geral de Vigilância em Saúde do Estado, Bernadete Gomes Lewandowski. A nova variação da doença causa preocupação entre as autoridades, já que mais um tipo do microorganismo entra em circulação.

De acordo com a SES (Secretaria Estadual de Saúde), pelo menos nove casos do tipo 4 da dengue já foram registrados em Campo Grande, em 2013. Até o dia 7 deste mês, 30 pessoas morreram em Mato Grosso do Sul vítimas da doença, 12 delas na Capital. Até o ínicio de setembro, 18 cidades do Estado já tiveram mortes por dengue.

“Não podemos afastar a hipótese de epidemia. O vírus já esta circulando e como poucas pessoas foram infectadas com esse tipo da doença, muita gente pode pegar”, disse Bernadete.

Ela explica que a falta de cuidados rotineiros da população é o fator que mais influencia na proliferação do mosquito Aedes Aegypti, causador da doença. “Deixar juntar lixo com água parada, a falta de cuidados nas residências, isso é o suficiente para uma nova epidemia”.

Poucas pessoas no Estado tiveram a doença do tipo 4, segundo a Vigilância Estadual de Saúde. Mas ainda assim, segundo a SES, das 513 amostras de isolamento viral positivas que foram analisadas, 300 foram identificadas sendo do tipo 4. Do tipo 2 foram 126 amostras e 87 do tipo 2 da dengue. Nove casos do tipo 4 já foram identificados em Campo Grande.

Os dados confirmam que o novo vírus começa acometer grande número de pessoas em Mato Grosso do Sul.

O vírus tipo 4 da dengue causa os mesmos sintomas das outras variações da doença, e não é mais agressivo que os outros tipos, segundo o Ministério da Saúde. Porém, vários fatores preocupam as autoridades, entre eles a severidade dos sintomas que aumentam quando se pega a doença pela segunda ou terceira vez. Além disso, a baixa incidência do tipo 4 até o momento, aumenta a probabilidade de uma nova epidemia do vírus.

De acordo com o Ministério da Saúde, quem já teve dengue do tipo 1 não terá mais um novo episódio da doença causado por esse mesmo tipo 1. Quem já teve a doença do tipo 1 só poderá ter dengue novamente se for do tipo 2, 3 ou 4. Sendo assim, a OMS (organização Mundial de Saúde) explica que uma pessoa só pode ter dengue quatro vezes.

“Não podemos nos descuidar. Com a chegada das chuvas em outubro, novembro e dezembro, se a população não ficar atenta, a epidemia pode acontecer”, disse Bernadete.

A diretora afirma também que a falha na classificação de risco gerou muitos óbitos no Estado. “Encontramos falha na classificação de risco em todos os municípios. Saber classificar o paciente na fila de espera é extremamente importante. Enfermeiros precisam estar atentos”.

O Plano de Contingência do Estado já está pronto, de acordo com Bernadete. “Esse plano me diz o que fazer em caso de epidemia. Além disso, me diz quantos leitos eu tenho, me dá informações sobre medicamentos”.

Além de vistorias rotineiras, os municípios têm recebido incentivos para realizar trabalhos de integração intermunicipais. “Não temos esse hábito e estamos implantando essa dinâmica. Se Anastácio está em situação crítica, Aquidauana pode ajudar. Por que esperar ajuda da Secretaria? Já vamos promovendo os trabalhos”, enfatiza.

STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...
UFGD oferece vagas em 36 cursos de graduação pelo Sisu
A UFGD (Universidade da Grande Dourados) está ofertando 944 vagas em 36 cursos de graduação para o Sisu (Sistema de Seleção Unificada). As inscrições...


Se a população fosse mais cuidadosa com sua própria casa, tivesse mais higiene e cuidasse melhor do lugar onde vive não teríamos tanto problema com a dengue. Sabemos que a maior culpada pelo problema da dengue é a população que é relaxada e ( me desculpem a expressão, mas é a mais verdadeira) é porca com seus quintais. O agente comunitário de saúde vai fiscalizar as residências e orientar... e só! Quem tem OBRIGAÇÃO de limpar é o proprietário... as autoridades de saúde cuidam dos doentes, quem tem que evitar que a população adoeça É A PRÓPRIA POPULAÇÃO!!! Isso é cultural... infelizmente, ou querem que o poder público limpe os quintais de todas as casas? Nem abrem os portões para os agentes... isso é um absurdo!
 
Dani Martins em 23/09/2013 08:30:34
- Dona Maria Araujo falou tudo, as pessoas pensam que limpar seus quintais é obrigação do agente de saúde, infelizmente. Nosso problema não é de falta de recursos, mas sim de falta de cultura e compromisso com nossas próprias residências. Estamos carecas de saber como a dengue se propaga e no entanto estamos sempre esperando a passagem do agente de saúde, e pior, alguns cidadãos nem recebem o agente e depois querem ter razão para reclamar. Façam me o favor...
 
Zuza Ratier em 22/09/2013 18:18:12
Infelizmente a maioria da população fica aguardando os agentes passarem e limpar seus quintais ....fica a dica...se cada um desde já deixar seu quintal limpo..não teremos epidemias...mas a cultura de alguns é precária.....
 
maria araujo em 22/09/2013 09:30:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions