ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Equipe que vai realizar estudos pode iniciar ações hoje

Por Redação | 01/08/2008 12:05

Está previsto para hoje o início dos estudos antropológicos em 31 áreas da região sul de Mato Grosso do Sul, sendo que o Grupo Técnico, composto por antropólogos e historiadores já estaria em Dourados desde ontem, dado não confirmado pela administração da Funai (Fundação Nacional do Índio) na cidade.

A questão das demarcações tem causado tensões entre os proprietários de terras na região do Cone Sul. Tudo teve início em 12 de novembro de 2007, quando os procuradores da República Charles Stevan da Motta Pessoa e Flávio de Carvalho Reis e o presidente da Funai, Márcio Meira, assinaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o compromisso de identificar e demarcar 31 novas áreas indígenas em Mato Grosso do Sul.

Nove meses depois, no último dia 14 de julho, foram publicadas portarias da Funai que determinaram o começo dos estudos antropológicos em 26 cidades da região do Estado, num total, segundo a fundação, de 3 milhões de hectares.

Reunião - Pelo menos quatro ônibus saíram de Dourados ontem levando cerca de 400 índios ao Aty Guassu (assembléia indígena) que acontece hoje em Tacuru, município localizado a 422 quilômetros de Campo Grande.

A administradora regional da Funai, Margarida Nicoletti, informou que a reunião deve ser restringir a apenas rituais religiosos indígenas e que não serão tratados assuntos políticos no encontro.

Porém, informações extra-oficiais divulgadas em matéria do site Dourados Agora, dão conta de que a assembléia organizada pelos índios deve ter a participação de integrantes da equipe de estudos que vão elaborar laudos para as demarcações e que por eles os guarani e kaoiwás serão colocados a par dos detalhes do processo.

O presidente da Funai, Márcio Meira, não participa do encontro em Mato Grosso do Sul, segundo a administradora. (Com informações do Dourados Agora)

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário