A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

17/07/2013 16:58

Falta de médicos atinge pelo menos 34 cidades de Mato Grosso do Sul

Bruno Chaves
Corredores de unidades básicas de saúdes costumam ficarem lotados (Foto: Arquivo Campo Grande News)Corredores de unidades básicas de saúdes costumam ficarem lotados (Foto: Arquivo Campo Grande News)

Pelo menos 34 cidades de Mato Grosso do Sul sofrem com a falta de médicos, segundo a Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul). Dessas, nove estão na lista do Programa Mais Médicos, do Governo Federal, para receberem os profissionais da saúde porque são classificadas como locais com maior vulnerabilidade social. São elas: Campo Grande, Corumbá, Japorã, Mundo Novo, Paranhos, Ponta Porã, Porto Murtinho, Sete Quedas e Tacuru.

Além das cidades citadas, de acordo com o presidente da Assomasul, Douglas Figueiredo, outros 25 municípios devem aderir ao programa para adquirirem mais médicos. Eles têm o próximo dia 25 para solicitaram a inclusão ao Governo Federal.

“Estamos entrando em contato com os prefeitos. Eles estão com medo de aderir, por causa de despesas que possam surgir. Mas nós entendemos que é importante se cadastrar”, opinou o presidente.

Entretanto, para Douglas, só a contratação de médicos não resolve o problema da saúde pública no Estado e no Brasil, já que esse não é o único percalço da área. O custeio dos serviços relacionados à saúde é mais difícil do que manter o salário do próprio profissional.

Para exemplificar a situação, Douglas levantou a questão do PSF (Programa Saúde da Família). “Os municípios recebem do Governo Federal R$ 12 mil reais para cada unidade do PSF. Mas o custo estratégico do programa vai a R$ 50 mil, já que temos aí o médico, o dentista, o enfermeiro, os auxiliares, entre outros. Então, esse déficit de R$ 38 mil quem paga é o município. O problema não é só os médicos, tem também o custeio”, analisa.

Mais Médicos – O Programa Mais Médicos do Governo Federal foi lançado no dia 8 deste mês e tem como objetivo atender cidades consideradas com maior vulnerabilidade social. Em Mato Grosso do Sul, nove cidades entraram nessa lista. No entanto, outros municípios podem se cadastrarem no programa até o próximo dia 25.

No Estado, de acordo com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, serão investidos R$ 39 milhões na construção, reforma e ampliação de unidades básicas de saúde. Os profissionais interessados em fazer parte do programa podem se cadastrar no site do Ministério da Saúde.

Os médicos que aceitarem virem para o Centro-Oeste receberão um salário mensal de R$ 10 mil, pago pelo Governo Federal, além do auxílio para descolamento, no mesmo valor. O município que adotará o médico deve garantir moradia e alimentação ao profissional.

Segundo o Datasus (Departamento de Informática do SUS), o Brasil tem média de um médico para cada 658 habitantes. O Centro-Oeste conta com 21.826 médicos, sendo que a média é de 1,6 médicos por mil habitantes.



-"O cão late por medo e não por valentia"; é isso que a classe médica está fazendo : "Eu não quero ir mas você também não vai", aí é o pensamento dos acomodados e materialista -Se o coração falasse mais alto que o egoísmo, não faltaria médico no interior.
 
luis tibo em 18/07/2013 09:28:21
, Foram citadas Varias Cidades como locais com maior vulnerabilidade social. São elas: Campo Grande, Corumbá, Japorã, Mundo Novo, Paranhos, Ponta Porã, Porto Murtinho, Sete Quedas e Tacuru, mais em momento algum citam Jardim-ms e Guia Lopes da Laguna, esses dois interior deu por esquecido, lá também a situação é precária, já que estão falando de saúde a População de Jardim -ms e Guia lopes da Laguna, também precisam de médicos.
 
Patricia Nunes Chaves em 18/07/2013 08:52:27
Eu vi uma entrevista do governo do Estado dizendo que não precisa de médico. Todos nós eleitores e pagadores de impostos é quem sabemos do que precisa. Quem é contra faz parte de grupo de interesse milionário. Tem que trazer e vai resolver esse problema que é o mais grave do ser humano. A vida está em primeiro lugar.
 
luiz alves em 18/07/2013 08:12:13
A Dilma está certa, tem que trazer médicos do exterior. Os médicos daqui estão achando 10 mil pouco, querem 15 mil de salário base.
 
Marcos Camargo em 18/07/2013 07:58:47
eu acho tudo muito errado na sexta eu fui ao posto passando muito mal desmaiando e tudo cheguei la as 13:00 e sem mentira alguma ate as 17:00 eu nao fui atendida e pior nenhum medico foi me ver no quarto e foi no posto de saude do aero rancho esse ai da foto
 
jenifer pereira camargo em 17/07/2013 20:25:38
sou a favor de 10 mil pros medicos, 10 mil pros enfermeiros , e 10 mil pros dentistas os dentistas trabalham mais que os medicos e os enfermeiros tambem carregam um psf nas costas e ganham menos q medicos q ficam pouco tempo no psf no maximo 2 a 3 horas por periodo e ganham muito, e outra o governo federal junto com estadual repassam aproximadamente 6 mil so pra odontologia sendo q o municipio entra com sua contrapartida uns 2 a 3 mil entao podem pagar pro dentista tb uns 10 mil a mais onde ja se viu pagar pra dentista apenas 2 a 3 mil reais um absurdo... e o unico profissional obrigado a cumprir horario e dentista e enfermeiro direito sao iguais..
 
alex da silva em 17/07/2013 19:57:43
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions