A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

22/08/2013 09:36

Fazendeiro põe seguranças armados para evitar avanço de índios kadiwéus

Luciana Brazil

Depois da ocupação da fazenda Limoeiro, em Corumbá, na tarde de ontem (21), o clima segue tenso na região. Igor Vilela, dono da fazenda Santa Márcia, que faz divisa com a propriedade invadida, garante que haverá confronto caso os índios kadiwéu avancem até a sua fazenda. Seguranças armados foram contratados para evitar a ocupação.

Ontem, ao menos 120 indígenas ocuparam a fazenda Limoeiro, da família Alves Corrêa, que fica próximo a Miranda, a 201 quilômetros de Campo Grande. A esposa de Igor é uma das proprietárias do local. Temendo uma invasão na fazenda Santa Márcia, Igor adianta que poderá haver confronto.

Seguranças armados já foram instruídos e estão de prontidão em frente à propriedade. A preocupação é que os índios queiram também ocupar suas terras. “Se eles vierem vai ter confronto. Já avisamos a polícia, mas ninguém fez nada até agora”, contou Igor. Hoje cedo Igor estava a caminho da Limoeiro.

Segundo o advogado do dono da fazenda Limoeiro, Carlos Fernando de Souza, esta é a segunda vez em menos de dois anos que índios entram na propriedade. Um comunicado, pedindo providências, já foi enviado ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Igor disse que no momento da invasão, seis seguranças estavam na propriedade. Quatro teriam sido amarrados e dois conseguiram fugir. Os profissionais que faziam a guarda da propriedade são contratados por uma empresa de Dourados. As armas dos seguranças também teriam sido roubadas. “Ainda não sabemos se a estrutura da fazenda foi depredada”, disse.

Dos 538 mil hectares, 160 mil estão em disputa na Justiça desde 1987. O processo tramita há 25 anos no STF (Superior Tribunal Federal). A demarcação da reserva dos kadiwéus foi feita em 1981.

De acordo com levantamento feito pela Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), no Estado já são 67 propriedades ocupadas por indígenas.

Conflito - Neste mês, o ministro José Cardozo veio a Capital para iniciar uma negociação entre o governo Federal, representantes indígenas e produtores rurais do Estado.

No último dia 13, representantes dos governos Federal e Estadual decidiram, em reunião, que as 31 fazendas localizadas na Reserva Buriti, em Sidrolândia, serão adquiridas pela União por meio de TDA (Título da Dívida Agrária). Também foi anunciado que, em um prazo de 60 dias, o Governo Federal fará levantamentos das áreas e de benfeitorias nas propriedades rurais para que se chegue a um valor exato que deve ser pago pelos hectares comprados.

Segundo o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, “serão duas relações jurídicas distintas nas compras”. Cardozo afirmou que a primeira é a aquisição de terras do Estado pelo Governo Federal por meio de TDA (Título da Dívida Agrária) e a segunda é a negociação do Governo Estadual com os produtores para o pagamento das indenizações.

O cronograma para a compra e venda de todas as terras indígenas em Mato Grosso do Sul será divulgado no próximo dia 27, no Ministério da Justiça, em Brasília (DF), quando acontece nova reunião entre índios, produtores e os dois governos. Conforme Cardozo, cada região terá uma forma de negociação.

Cerca de 120 índios rendem quatro seguranças e ocupam fazenda em Corumbá
Cerca de 120 indígenas de etnia Kadiwéu ocuparam a Fazenda Limoeiro, em Corumbá, na noite de ontem (20) e renderam quatro seguranças. De acordo com o...
Polícia Federal retira Kadiwéus de fazenda em Porto Murtinho
Cerca de 60 famílias Kadiwéu começaram a ser retiradas ontem pela Polícia Federal de área de cerca de 160 mil hectares no município de Porto Murtinho...
MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...


esses indigenas so querem mordomia tem indio porai que tem sky hdtv ve se pode
 
lola vasques em 23/08/2013 19:34:24
Certissímo o proprietário tem que haver respeito tanto pelas propriedades como pelas reservas.
Que tal se invadissímos as reservas indigenas e lotes de assentamentos?
Será que a turminha iria gostar? Dá voto?
Vamos tirar madeira, caçar, pescar o ano todo, Afinal por que esse povo que se acha acima de tudo...pode tudo.
Desobediência ao Estado é a palavra de ordem.

 
Gabriel Moreno em 23/08/2013 08:44:36
bom pessoal todos nos sabemos que o índio é massa de manobra do próprio governo, eu sou a favor do fazendeiro, ja que ele adquiriu essas terras de forma legal e o que é mais importante ele produz nelas, gera renda pro nosso estado, o que quando essa terra é dada ao indígena não acontece, os índios ja matarão pais de famílias e nada aconteceu, se tentarem invadir sou a favor de que matem mesmo, o índio ja era para estar inserido na sociedade a muito tempo trabalhando estudando e pagando impostos como todos nos fazemos mas eles querem vida boa, eu sou contra sem teto e índio, poe pra trabalha. chega acorda Brasil.
 
JOAO NELSON DUTRA em 23/08/2013 08:15:39
ESSAS TERRAS FORAM ENTREGUES AOS ÍNDIOS PELA DEFESA DESTE TERRITÓRIO, O QUE ACONTECE É QUE OS MAIS FORTES SEMPRE QUEREM TER RAZÕES, OS ÍNDIOS TEM QUE DEFENDER MESMO O QUE É DELES, INDEPENDENTE DO QUE IRÃO FAZER OU DEIXAR DE FAZER COM AS TERRAS
 
reuel azevedo em 22/08/2013 20:21:03
E pouca gente sabe, que a população indigena Kadiweu não passa de 1500 indigenas e alem do mais, todas suas terras são arrendadas para branco com aval do MPF.

Diário Oficial da União - 159 - 16/8/2012 - Seção 3
FUNAI - EXTRATO DE TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA N° 001/2012, de 20/04/2012 - Partícipes: Fundação Nacional do Índio - FUNAI, a Associação dos criadores do Vale do Aquidabã e Nabileque - ACRIVAN, e a Associação das Comunidades Indígenas da Reserva Kadiwéu - ACIRK. Objeto: O presente Termo de Ajustamento e Conduta tem por objeto ajustar a conduta de arrendamento de áreas na Terras Indígenas Kadiwéu
 
Rogerio Wantuir em 22/08/2013 18:48:23
Até agora tudo que ouço falar é sobre indigena, pois bem os fazendeiros não podem fazer nada mais os indios podem, bater torturar os seguraças, então os indigenas deviam saber que os seguraças tb tem familia e estão ali trabalhando cumprindo ordens
ganhando seu pão de cada dia, e ai espondo suas vidas Será que o patriarca deste povo não vê isso eles sabem revidicar terra mais não tem um pingo de bom censo com quem está dentro; 120 indigenas batendo e torturando 6 homens é muita desleodade ainda mesmo assim querem ter direito Mata um deles vira um reboliço mais se morre um branco ninguém está nem ai, estes indios são mais instruidos que nós brancos.
GOVERNO AUTORIDADES COMPETENTES TOMEM PROVIDÊNCIAS ATÉ AONDE VAI ISSO ATÊ ACONTECER UM MASSACRE......
 
ROSY PLEUTIN em 22/08/2013 15:09:57
EU NÃO VOU DAR MINHA OPINIÃO POIS SOU INDOUTO NO ASSUNTO, PORÉM TENHO UMAS "PREOCUPAÇÕES": GRANDE PARTE DE MS E MT PERTENCIAM AO PARAGUAY ANTES DA GUERRA, AÍ COM A "VITÓRIA" BRASILEIRA (causo mal contado) NOSSO PAÍS SE APOSSOU DAS DITAS TERRAS QUE NA VERDADE SEMPRE FORAM DO PAÍS VIZINHO. O QUE EU PERGUNTO, É: SERÁ QUE DEPOIS QUE FOR "RESOLVIDO" O PROBLEMA INDÍGENA OS NOSSOS HERMANOS NÃO VÃO QUERER REAVER SUAS POSSES QUE FORAM ........ SERÁ??? TALVEZ NÃO POR SER UM PAÍS FRAQUINHO POREM ELES MERECEM TANTO QUANTO OS OUTROS . ALGUÉM ME AJUDA AÍ?!
 
JARY GUASINA em 22/08/2013 15:00:10
Índio quer terra? Então vai produzir! Posso até concordar que temos uma dívida histórica, mas não concordo que, além da demarcação, temos que pagar as várias bolsas não sei o que lá que o governo disponibiliza! Índio de tablet tem de monte por aí! Se quer terra, vai morar em casa de madeira, plantar e colher, e não arrendar pra terceiro, como muita gente sabe que eles fazem com contrato de gaveta! Só querem ter vida boa, isso sim!
 
Mariana Alves em 22/08/2013 14:52:47
Maximiliano,vc diz isso porque não é vc que esta la,mas quantos pais de familia foram designados para ser um matador de indios,ou morrer por terras que nem são suas,vê se o fazendeiro se coloca na frente,concordo com o Samuel,saiam fora dessa,não sejam matadores de aluguel,o fazendeiro que pressione o governo até que seja resolvida a situação,mas não coloque inocentes na mira dos indios.
 
Teresa Moura em 22/08/2013 14:42:28
que beleza, finalmente um fazendeiro com atitude . os indios tem que entender que ja foi demarcado e dificilmente vai muda alguma coisa nessas demarcações .
 
wagner roberto em 22/08/2013 13:57:46
Alguem comenta que nãoprecisa de seguranças por causa da lei. É...somente indios podem fazer tudo que bem entender, Indio trabalhar que é bom...nem pensar.
 
Joao Carlos em 22/08/2013 13:21:07
Já não basta a Reserva para os indios?
 
Milton Santolaia Miguel em 22/08/2013 13:15:44
É ISSO QUE O GOVERNO "PODRE" QUE TEMOS HOJE NO BRASIL QUER!...CONFRONTO!... POIS O FAZENDEIRO QUE TRABALHA E PAGA AS BOLSAS CRIADAS PELO GOVERNO PARA SE MANTEREM NO PODER É QUE SEMPRE SERÁ O CULPADO.
DESSA FORMA O "GOVERNO" TEM APOIO POPULAR PARA INTERFERIR "DEPOIS" E ACUSAR OS PROPRIETÁRIOS E A PREÇO DE BANANA ENTREGAR AS TERRAS PARA OS ÍNDIOS. "VERGONHA"!!
 
Paulenir de Barros em 22/08/2013 12:14:23
Sr. Noelio, concordo quanto ao posicionamento de que o Governo Federal deve resolver a situação com a maior urgência possível.

Apenas para esclarecer, os 538 mil hectares noticiados correspondem à Reserva Kadiweu que os indígenas afirmam ser deles, sendo que 160 mil hectares é a área controversa, em que diversos fazendeiros são proprietários de várias fazendas nessa área (aproximadamente 30 ou mais).
Assim, não é um fazendeiro que é proprietário de 538 mil hectares, e sim os indígenas (apenas da comunidade Kadiweu) que já possuem 378 mil hectares, e querem mais 160 mil hectares.
 
Gustavo Lopes em 22/08/2013 11:55:41
Aos trabalhadores e pais de família que atuam como seguranças, um aviso; não se tornem um assassino e nem destruam sua família. O homicídio é tipificado no CP pelo art 121 como homicídio doloso e dá ao homicida de 12 a 30 anos de prisão e a pena pode dobrar caso se configure o crime de genocídio. Sobra apenas pra você e aos fazendeiros endinheirado não dá nada! E outra: o fazendeiro pode infiltrar matadores de aluguel entre os seguranças. Saiam da frente e deixe os kadiwéu em paz com sua terras.
 
samuel gomes- sidrolandia em 22/08/2013 11:50:00
acho que todos tem o direito de reivindicar, o governo precisa fazer alguma coisa para solucionar os conflitos, mas deve ser pensado em ambos os lados.
Os índios tem seus direitos, acredito que o estado tem uma divida historia com eles, perderam sua identidade cultural foram mortos assassinados, jogados para fora de suas casas e muito mais.
Mas os fazendeiros não podem sair no prejuízo, ate porque as fazendas movimentam grande parte da economia do nosso estado.
Ambos os lados devem pressionar o governo, para que a situação seja resolvida.
O brasil tem um grave problema de ma distribuição de terras e de renda, enquanto um fazendeiro tem 538 mil hectares de terra outros não tem nenhum. acho isso um absurdo
 
Noelio Chendes em 22/08/2013 11:26:02
Uma vergonha, a polícia não age...não sei onde nosso país vai parar.
 
Paola Santos Araújo em 22/08/2013 10:44:21
O Igor está 100% correto, avisou as autoridades, a polícia, enfim, ninguém fez nada, se armou, arrumou seguranças e se tentarem entrar tem que ir pra cima mesmo, os índios estão crescendo, o governo não faz nada, só promete, tem que começar a ter conflito mesmo pra ver se o governo se coça.
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 22/08/2013 10:21:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions