A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

13/09/2010 14:30

Fiscalização fecha laboratório clandestino de prótese

Redação

O CRO (Conselho Regional de Odontologia) fechou nesta tarde um laboratório de clandestino de prótese dentária que funcionava nos fundos de uma residência no bairro Marcos Roberto, em Campo Grande.

O local foi descoberto por meio de denúncia anônima feita ao Conselho na última sexta-feira (10) e o responsável identificado como Valdecir Gomes Herculano, de 40 anos.

Quando a fiscalização chegou à casa, na rua Japão, Herculano trabalhava sem camisa e de chinelos e havia próteses secando ao sol sobre uma betoneira no quintal.

Elas eram feitas em local sujo, sem ventilação e mal iluminado. Policiais do 10ª Batalhão da Polícia Militar e a Vigilância Sanitária deram apoio à ação do Conselho.

O dono do local contou que trabalha ali há dois meses e providencia transferência para o bairro Vilas Boas, por estar ciente de que a casa onde está é inadequada.

"O laboratório do Valdecir era irregular e clandestino e ele fazia as próteses e mandava para um consultório fazer desinfecção e passar aos pacientes", explica Jefferson Teruya, fiscal farmacêutico da Vigilância Sanitária.

Como o protético atua como prestador de serviço e não vende diretamente à população, não teve os materiais apreendidos.

Antes da fiscalização, o Conselho verificou que ele possui registro para fabricar as próteses, contudo não pôde fazer isso de maneira clandestina. Desta forma, o CRO deu prazo de quinze dias para que ele regularize seu laboratório, mudando para local mais adequado e obtendo alvará da Vigilância Sanitária.

Após esse período será feita avaliação e se as condições de trabalho de Herculano continuarem irregulares, ele poderá ter o registro cassado.

2° caso - Esse é o segundo laboratório clandestino fechado pelo CRO neste ano. Em março fiscais descobriram um laboratório irregular nos fundos de uma conveniência na avenida Guaicurus.

O proprietário do local, Odair da Silva Ortega, não possuía registro junto ao Conselho e era reincidente no exercício ilegal da odontologia.

Com base nisso, o CRO alerta a população para ficar atenta ao fato de que o protético não pode prestar serviço direto à população. Se isso ocorrer, é exercício ilegal da profissão.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions