A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

24/09/2013 15:23

Funai investiga fraude de R$ 500 mil em compra de combustíveis em MS

Bruno Chaves e Zana Zaidan

Fraudes na utilização de cartões corporativos da administração regional da Funai (Fundação Nacional do Índio) de Campo Grande fizeram com que o corregedor nacional do órgão, Francisco Arruda, instaurasse sindicância para apurar denúncias de compra irregular de combustíveis. A estimativa é de que mais de R$ 500 mil foram desviados e até utilizados para enriquecimento ilícito de servidores nomeados.

Após ser notificado de gastos em excesso com compra de gasolina, etanol e diesel em postos de combustíveis de Campo Grande, o assistente administrativo da Funai de Miranda, Fernando Jorge, descobriu que era uma das vítimas de fraudes em cartões corporativos.

“Fui notificado sobre a quantidade de notas de combustível sem nenhuma ordem de serviço expedida”, contou Fernando revelando que os gastos irregulares duraram pouco mais de 10 meses. O servidor revelou que as notas começaram a ser emitidas no dia 8 de dezembro de 2011 e foram até o dia 29 de outubro de 2012.

Ao todo, quatro cartões corporativos foram emitidos com o nome e o CPF (Cadastro de Pessoa Física) de Fernando. Em todos os pagamentos, constam os dados do assistente administrativo. “Foram compras de gasolina e etanol, mas tem óleo diesel e óleo de motor. Pelo jeito, quem fez isso usou de todos os artifícios para ‘empurrar’ mais gastos nas notas”, acredita.

O assistente ainda afirma que nunca utilizou veículos da Funai para o trabalho. Ele revelou que é funcionário da fundação desde 1989 e está lotado na unidade de Miranda desde 2002. “Nunca usei carro da Funai, tenho carro próprio e o meu é a gasolina. Porque eu abasteceria com diesel?”, questionou lembrando que só em seu nome existem gastos de R$ 25 mil.

Gastos excessivos e corriqueiros – A sindicância para investigar o desvio de verbas foi publicada no Boletim de Serviços da Funai do dia 1º de julho e assinada por Francisco Arruda. O prazo estipulado para a conclusão dos trabalhos foi de 60 dias, com término previsto para início de setembro. No entanto, em nova publicação, o corregedor prorrogou para início de novembro o prazo para a conclusão da apuração.

“A gente não pode afirmar quem é, mas pessoas que a gente desconfia, hoje estão bem de vida. De uma hora pra outra, com carro zero, casa nova. Agiram de ma fé. São servidores que foram nomeados, de acordo com interesses políticos”, afirma.

Além de denúncias contra Funai, acusações sobre desvio de dinheiro para compra de combustíveis também pesam contra a administração regional da Funasa (Fundação Nacional da Saúde) em Campo Grande. Cerca de 10 funcionários estariam envolvidos em desvio de R$ 200 mil da fundação.

Sindicância – A reportagem do Campo Grande News entrou em contato com as administrações regionais de Campo Grande da Funai e da Funasa, assim como os órgãos em Brasília (DF).

Até o fechamento desta matéria, a assessoria de imprensa da Funai não respondeu aos questionamentos do jornal.



CONTRARIANDO O SR. TEÓFILO DE ALMEIDA, VEZ EM QDO É BOM RELEMBRAR O PASSADO, RECENTE, E TER CERTEZA P/ EXTERNAR NOSSA OPINIÃO, NOSSO PONTO DE VISTA, NOSSAS CRÍTICAS. TEMOS Q SER MINIMAMENTE JUSTOS P/ Ñ COMETER EQUÍVOCO. E AO Q CONSTA, ME PARECEU Q O SR. PADECE DE AMNÉSIA QDO DIZ Q HOJE A FUNAI DE CAMPO GRANDE TEM COMO TITULAR UM SERVIDOR DE CARREIRA. SÓ P/ AJUDAR A RELEMBRÁ-LO, ANTES, A MESMA FUNAI HAVIA SIDO ADMINISTRADA P/ UM SERVIDOR INDÍGENA, Q ERA TUDO Q MAIS DESEJÁVAMOS, LUTAMOS P/ ISSO, INCLUSIVE, PQ Ñ ACEITÁVAMOS UM "BRANCO" À FRENTE DO ÓRGÃO INDIGENISTA. E ESTE MESMO SERVIDOR INDÍGENA Q ME REFIRO, (LEIA-SE MÁRCIO JUSTINO MARCOS), ERA DE CARREIRA, TBÉM, DO QUADRO DE PESSOAL DA FUNAI. ASSIM, PERCEBE-SE EM SUA FRACA E POBRE OPINIÃO, TREMENDO CONTRA SENSO. JUSTIÇA SEJA FEITA, NÉ?
 
NEWTON GALACHE em 31/12/2013 08:37:48
Não podemos fazer vistas grossas aos fatos , porem é preciso olhar sempre para frente. Hoje a Funai de Campo Grande tem como titular um servidor de carreira, com certeza é a oportunidade de começar a escrever uma nova história da questão indigena em nosso estado, no entanto precisamos saber qual é a verdadeira intenção do governo federal para com os indigenas.
Teófilo de Almeida - Diretor Sindical
 
Teofilo de Almeida em 27/09/2013 11:17:48
Aproveitem a deixa e investiguem todas a unidades que utilizam desta forma de operação. Investiguem também as contas da ex-prefeita de Nioaque e vejam opara ondem foram parar as quantidades de Diesel compradas durante sua gestão.
 
Jorge Junior em 25/09/2013 08:01:49
Gostaria de saber para que serve essa FUNAI???????
 
Carlos Bezerra em 25/09/2013 07:47:59
Com certeza pode haver fraudes num esquema montado por servidores bandidos, como está se descobrindo em outros órgãos, mas o injusto é o SINDSEP generalizar e afirmar que há ilicitude em todas as Coordenação da FUNAI/MS, como aqui na paupérrima CTL de Sidrolândia onde há apenas três pobres servidores que vira e mexe estão a empurrar seus velhos carros. Esse tipo de crime é o chamado 171, possivelmente com a clonagem de cartão onde o bandido "retira" 10mil litros de combustíveis mas esquece de levar, mas tem o valor para si em conluiu com o comércio. Outrora a FUNAI MS foi alvos de muitas denuncias, inclusive a de que duas servidoras inapta para dirigir viaturas do órgão, bateu e trouxe prejuízos ao erario, mas nada foi feito. Com o advento da Corregedoria isso tende a acabar.
 
samuel gomes-sidrolandia em 24/09/2013 18:12:44
A árvore do mal frutifica com o mau exemplo e a impunidade. O chefe do mensalão não está por aí cheio da moral e apoio do Partido? Não pegou moleza no STF? Quem tira da cabeça do povo agora que está tudo dominado? Porque "eu não posso"?
 
Valfrido M. Chaves em 24/09/2013 17:25:16
Nossa não acredito que isto está acontecendo em nosso país e principalmente em nossa cidade.....
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 24/09/2013 16:11:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions