A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 18 de Agosto de 2018

04/10/2010 15:44

HR diz que liberou remédio a índia, mas não houve tempo

Redação

O diretor técnino-assistencial do HR (Hospital Regional) de Campo Grande, Alexandre Frizzo, informou ao Campo Grande News que quando chegou até ele a solicitação de um medicamento para a índia Terena Vanessa Rodrigues Gabriel, de 11 anos,houve a liberação, mas ela não chegou a usar a medicação. Vanessa morreu na semana passada no hospital, depois de esperar vários dias pelo medicamento Rituximab, droga que tem custo de R$ 5,7 mil por ampola de 50 ml.

Vanessa sofria de lúpus, doença crônica que afeta vários órgãos do corpo. Ela já estava com o rim comprometido. A medicação havia sido prescrita para ela no ambulatório no dia 16 de setembro, mas não foi fornecida pela Funasa (Fundação Nacional de Saúde), responsável pela saúde indígena, sob o argumento de que o hospital deveria fornecer o remédio.

Enquanto a menina aguardada o remédio, HR, Funasa e Funai trocaram ofícios a respeito. No primeiro ofício, datado de 20 de setembro e assinado pelo coordenador regional da Funai, Edson Fagundes, a fundação solicita à Funasa que seja fornecida a medicação.

No dia 22 de setembro, o coordenador regional da Funasa, Flávio da Costra Britto Neto, respondeu que o HR, onde Vanessa estava em tratamento, deveria providenciar o medicamento pois recebe recursos para a atenção especializadas aos povos indígenas, enquanto a Fundação tem a função de garantir a atenção básica apenas.

Diante da resposta, no dia 27 de setembro, o coordenador da Funai encaminhou novo ofício ao Hospital Regional, com o alerta "urgente", e para tentar conseguir o remédio mais rapidamente

O diretor do HR contrapõe o argumento da Funasa e diz que era obrigação sim, fornecer o medicamento quando a menina estava em tratamento ambulatorial. De toda forma, segundo ele, quando houve o pedido oficial, o remédio foi liberado, mas não houve tempo hábil.

Frizzo afirma, ainda, que diante do estado da menina, não há como afirmar se o medicamento poderia reverter o, mesmo que tivesse sido fornecido anteriormente.

A menina morreu apenas 8 dias após completar 11 anos. Ela veio da Terra Indígena Buriti, localizada nos municípios de Dois Irmãos do Buriti e Sidrolândia, para se tratar em Campo Grande.

Último sorteio da Mega-Sena na semana pode pagar até R$ 23 milhões
Neste sábado (18) o último dos três sorteios da semana da “Mega-Sena dos Pais) pode pagar para um ou mais acertadores até R$ 23 milhões. Durante os o...
Gabaritos do Enceja já estão disponíveis no site do Inep
O Ministério da Educação (MEC) divulgou no final da tarde de hoje (17) gabarito oficial do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens...
Capes torna mais rígida avaliação de cursos de pós-graduação
A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) tornou mais rígida a avaliação dos cursos de pós-graduação no país. De acordo c...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions