ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  01    CAMPO GRANDE 17º

Interior

Até na bandeira vermelha município se nega a seguir decreto estadual

Prefeitura de Coxim é mais uma que ignorou Prosseguir e mudou até toque de recolher

Por Paula Maciulevicius Brasil | 18/06/2021 11:48
Vista aérea de Coxim, cidade a 253 quilômetros de Campo Grande. (Foto: Divulgação)
Vista aérea de Coxim, cidade a 253 quilômetros de Campo Grande. (Foto: Divulgação)

A cidade de Coxim, distante 253 quilômetros da Capital, é mais uma a ignorar o decreto estadual e flexibilizar as medidas restritivas impostas pelo governo do Estado. Assinado na quinta-feira (17) e com validade a partir de hoje, a prefeitura autorizou a abertura do comércio e alterou o toque de recolher, mesmo em bandeira vermelha, rejeitando o decreto estadual.

Além da flexibilização também para setores como restaurantes, lanchonentes, salão de beleza e barbearias, a prefeitura autorizou o toque de recolher começar 1h mais tarde. Anteriormente, o horário era das 21h às 5h, agora passa a ser das 22h às 5h.

Ao Campo Grande News, o prefeito de Coxim, Edilson Magro (DEM), explicou que tomou a decisão porque antes mesmo do feriado de 3 de junho, Corpus Christi, a cidade já tinha adotado Lei Seca. "Fechamos o comércio da noite, tomamos todas as medidas não só antes do feriado como também no final de semana posterior e nós conseguimos diminuir e controlar os casos".

Prefeito Edilson Magro diz que decreto flexibiliza depois de lei seca controlar casos de covid no município. (Foto: Divulgação/Prefeitura de Coxim)
Prefeito Edilson Magro diz que decreto flexibiliza depois de lei seca controlar casos de covid no município. (Foto: Divulgação/Prefeitura de Coxim)

Esta semana, ainda segundo o prefeito, antes de soltar o decreto com as flexibilizações, Prefeitura, Câmara de Vereadores e comércio se reuniram. "As pessoas têm o direito de trabalhar, o comércio está aí, falido, em dificuldade. Eu me preocupei com a economia", comentou.

A reunião também envolveu vigilância sanitária do município e a secretária de saúde. "Tomamos a decisão de flexibilizar um pouco, porque o comércio estava muito prejudicado, mas fizemos isso sem abrir a guarda para aumentar a pandemia, tudo dentro de uma responsabilidade", enfatiza Magro.

A cidade pode agora ter restaurantes e lanchonetes funcionando até 22h, e seguir com drive-thru e delivery de bares e conveniências.

Seguem proibidos no município a realização de eventos, casamentos e festas, funcionamento de casas de shows, música ao vivo, bem como o uso compartilhado de tereré e narguilé.

Já são seis os municípios que não estão seguindo o decreto do Governo do Estado Campo Grande puxou a fila, depois veio Três Lagoas, Ponta Porã, Sidrolândia, Corumbá e São Gabriel do Oeste.

Na Justiça - Nessa quinta-feira, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) ingressou com ADIs (Ações Diretas de Inconstitucionalidade) contra os decretos de seis gestores municipais, que desobedecem a classificação do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança da Economia), criado pelo Governo do Estado para orientar prefeituras sobre como agir diante do colapso provocado pela alta da transmissão do coronavírus.

Campo Grande e outras 42 cidades foram classificadas na “bandeira cinza”, que indica risco extremo de contrair a covid-19 e determina o fechamento de vários estabelecimentos para reduzir a circulação de pessoas e frear o contágio.

O MP considera inconstitucionais as iniciativas dos prefeitos e segue o mesmo entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal), de que os decretos mais restritivos devem prevalecer em relação aos mais brandos.

Colaborou Sidney Assis, de Coxim

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário