ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Casal que mantinha empresa de fachada para “Cabeça Branca” é preso

Os suspeitos administravam as empresas usadas no Paraguai para lavagem do dinheiro do tráfico drogas

Geisy Garnes | 09/03/2019 15:40
Advogado Arevalos Luis Arnaldo Sanabria (Foto: Divulgação)
Advogado Arevalos Luis Arnaldo Sanabria (Foto: Divulgação)
Liz Augustina Benitez de Arevalos (Foto: Divulgação)
Liz Augustina Benitez de Arevalos (Foto: Divulgação)

A polícia paraguaia cumpriu na manhã deste sábado (9) mandados de prisão contra laranjas do narcotraficante Luiz Carlos da Rocha, o “Cabeça Branca”. Conforme as investigações, os suspeitos - um advogado de 46 anos e a mulher, de 41 - comandavam empresas de fachada para esconder o dinheiro adquirido com o tráfico de drogas.

Segundo a polícia, ao lado da mulher, identificada como Liz Augustina Benitez de Arevalos, o advogado Arevalos Luis Arnaldo Sanabria administrava as empresas usadas no Paraguai para lavagem do dinheiro do tráfico a mando de Cabeça Branca e ainda dava suporte jurídico a ele e aos dois filhos, Rafael Pigozzo Rocha e Bruno César Payao Rocha.

A operação que resultou na prisão do casal aconteceu nesta manhã, na casa em que eles moravam na cidade paraguaia Coronel Oviedo. Além da prisão, as equipes cumpriram mandado de busca e apreensão e apreenderam uma Van que estava em nome de uma das empresas: a "Aka Moroti Comercial, Agropecuária e Pecuária”.

Cabeça Branca agia com mão de ferro e através da violência para controlar o milionário esquema para mandar cargas de cocaína para países europeus. Foi investigado por pelo menos 30 anos, mas a polícia não chegava até ele porque, segundo a PF, o traficante operava sem chamar a atenção e sem se envolver diretamente com os carregamentos.

O narcotraficante ainda foi sócio de Jorge Rafaat Toumani e por muitos anos operou na fronteira com Mato Grosso do Sul. Segundo a Polícia Federal, Cabeça Branca montou um “mar de terra” no Mato Grosso – cerca de 40 mil hectares - para pouso dos aviões que trazem cocaína da Bolívia, Peru e Colômbia.

Hoje, Luiz Carlos da Rocha está preso no Presídio Federal de Catanduvas, no interior do Paraná.

Nos siga no Google Notícias