ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 13º

Interior

Colômbia pede ajuda aos EUA para investigar execução de promotor paraguaio

Mulher de Marcelo Pecci está grávida e postou foto em rede social minutos antes de o marido ser morto

Helio de Freitas, de Dourados | 10/05/2022 13:51
Marcelo Pecci e a mulher, a jornalista Claudia Aguilera, em foto na praia de Cartagena (Foto: Reprodução)
Marcelo Pecci e a mulher, a jornalista Claudia Aguilera, em foto na praia de Cartagena (Foto: Reprodução)

A polícia colombiana pediu apoio aos Estados Unidos para investigar a execução do promotor de Justiça Marcelo Pecci, 45, ocorrida na manhã desta terça-feira (10). Ele foi morto por pistoleiros na praia privada do hotel Decamerón, na província de Barú, em Cartagena das Índias, na costa caribenha da Colômbia.

Chefe da força-tarefa contra o crime organizado, narcotráfico, lavagem de dinheiro e financiamento de terrorismo, Pecci atuava também contra as quadrilhas que dominam o tráfico de drogas na linha internacional entre Paraguai e Mato Grosso do Sul.

Além do apoio norte-americano, o chefe da polícia colombiana, general Jorge Luis Vargas, disse que também entrou em contato com a procuradora-geral do Paraguai Sandra Quiñonez e pediu designação de equipe paraguaia para ajudar nas investigações.

Investigadores colombianos estão vasculhando a lista de passageiros que chegaram de avião a Cartagena nos últimos dias. A suspeita é que os criminosos tenham seguido o promotor desde o Paraguai.

O acesso ao hotel onde Marcelo Pecci passava lua de mel com a esposa, a jornalista Claudia Aguilera, só é possível de embarcação, mas ainda não está claro se os pistoleiros estavam na península ou chegaram de lancha.

“O mataram e desapareceram”, disse Claudia em entrevista a uma rádio da Colômbia. Segundo ela, os criminosos ainda atiraram em um segurança do hotel que tentou impedir a fuga. Imagens da jornalista sozinha sobre o corpo do marido ganharam destaque na imprensa da América do Sul.

Marcelo Pecci estava na costa colombiana como uma pessoa comum. Ele viajou sozinho com a mulher e não contava com segurança. Nem mesmo as autoridades da Colômbia foram avisadas da presença do promotor que há 9 anos integrava a luta contra o crime organizado no Paraguai.

Sapatinhos de bebê e ao fundo o casal na postagem para anunciar gravidez (Foto: Reprodução)
Sapatinhos de bebê e ao fundo o casal na postagem para anunciar gravidez (Foto: Reprodução)

Lua de mel – Marcelo Daniel Pecci Albertini e Claudia Aguilera se casaram no dia 30 de abril em Asunción. Há três dias estavam em Cartagena das Índias para a lua de mel.

Poucos minutos antes do assassinato, a jornalista postou foto em suas redes sociais para anunciar que está grávida. “O melhor presente de casamento é a vida aproximando-se do testemunho mais lindo do amor”, escreveu junto com a foto mostrando par de sapatinhos de bebê e o casal se beijando ao fundo.

O ex-promotor e ex-ministro do Interior do Paraguai Arnaldo Giuzzio, afirmou que o assassinato de Marcelo Pecci é um recado do crime organizado às autoridades que lutam contra o narcotráfico em solo paraguaio. “Tenho certeza que a ordem para assassinar Marcelo partiu daqui do Paraguai”.

Nos siga no Google Notícias