ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Decisão judicial garante matrículas na educação infantil em Iguatemi

Nadyenka Castro | 10/02/2012 12:03

Pais não conseguiam colocar os filhos na escola e procuraram o Ministério Público Estadual, que ingressou com Ação Civil Pública

A pedido do MPE (Ministério Público Estadual), a Justiça mandou o município de Iguatemi, a 466 quilômetros de Campo Grande, matricular crianças no ensino fundamental.

De acordo com o MPE, em meados de janeiro de 2012, vários pais

procuraram a Promotoria de Justiça e disseram que estavam tendo o pedido de matrícula de seus filhos indeferidos, sob o fundamento de que não teriam a idade suficiente para ingressar no ensino infantil e fundamental.

Segundo informado pelos pais ao MPE, as crianças não poderiam estudar porque não completariam a idade suficiente até 31 de março deste ano para serem matriculados, conforme resolução expedida pelo Conselho Nacional de Educação.

Diante disso, o promotor de Justiça substituto Romão Avila Milhan Junior, instaurou inquérito civil e expediu recomendação para imediata efetivação das matrículas das crianças e pediu resposta no prazo de 48 horas.

O prazo expirou e nenhuma resposta foi encaminhada ao MPE, que recebeu novas denúncias sobre indeferimentos de matrículas sob o mesmo argumento.

O promotor então ingressou com Ação Civil Pública de Obrigação de Fazer com Pedido Liminar, fundamentando, em suma, que o critério de idade não é motivo suficiente para o indeferimento, haja vista que o acesso à educação é garantido pela Constituição Federal e ratificado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente independente de idade.

A Justiça deferiu o pedido e determinou ao município de Iguatemi que notificasse os pais dos menores que tiveram os requerimentos de matrícula indeferidos por motivo de idade e efetuasse todas, tudo no prazo improrrogável de 48 horas, sob pena de multa diária no valor de R$ 10 mil, garantindo, assim, o direito Constitucional a Educação.

Nos siga no Google Notícias