A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

18/12/2014 11:41

Demora em atendimento na Receita deixa caminhões parados por até 5 dias

Viviane Oliveira
Tem dia que cerca de 150 caminhões chegam a ficar na fila esperando atendimento na Receita Federal. (Foto: César Galeano) Tem dia que cerca de 150 caminhões chegam a ficar na fila esperando atendimento na Receita Federal. (Foto: César Galeano)

Centenas de caminhoneiros ficam parados por até 5 dias esperando a liberação da carga na Receita Federal, em Mundo Novo, na divisa com o Paraguai, distante 476 quilômetros de Campo Grande. Diariamente dezenas de caminhões entram e saem do Brasil, no entanto, nos últimos dias a demanda na fiscalização aumentou devido a paralisação no Porto Santa Helena, no Paraná.

Os motoristas que ficam até uma semana parados para seguir viagem reclamam da demora e da precariedade da Receita Federal. O pátio destinado a estacionamento está lotado e alguns caminhoneiros acabam parando as carretas às margens da BR-163.

Na última terça-feira (16), os caminhoneiros que aguardavam a liberação para seguir viagem, fizeram uma manifestação em frente a Inspetoria da Receita pedindo agilidade no despacho. Tem dia que cerca de 150 caminhões chegam a ficar na fila esperando atendimento.

O inspetor chefe da Receita Federal do município, Clóvis Ribeiro Cintra Neto, em entrevista ao site de notícias de Mundo Novo, atribuiu o problema a falta de funcionários, as obras da nova aduana que passa por reforma e ao porto de Santa Helena, que está sem navegabilidade.

Segundo Clóvis, dez novos servidores foram admitidos, porém o número ainda fica abaixo das necessidades. Ele disse ainda que o comércio exterior aumentou muito neste fim de ano e como o rio Paraná está sem navegabilidade, os carreteiros utilizavam o posto fronteiriço de Mundo Novo, congestionando e agravando o despacho. Vários documentos, como do veículo e da carga, são necessários para que o serviço seja agilizado. 

Conforme um dos proprietários da KM transportes, Otávio Luiz Rodrigues, as leis precisam ser mudadas para facilitar o transporte de cargas. “O custo sempre estoura na transportadora. Além das leis, as tecnologias precisam ser usadas para facilitar tanto a exportação quanto a importação”, diz. Colaborou o jornalista César Galeano, de Mundo Novo.

Homem atira contra trabalhadores em alojamento de obra de asfalto
Funcionários de uma empresa responsável pela construção do asfalto na estrada do distrito de Piraputanga, distante 121 quilômetros de Campo Grande, s...
Homem de 50 anos morre após passar mal durante partida de futebol
Edvaldo Franco de Arruda, de 50 anos, morreu na noite de ontem (22) após passar mal durante uma partida de futebol, no campo do Complexo Poliesportiv...


O Brasil no quesito incentivo em exportações e aumento de produção é uma lastima.
 
wild em 18/12/2014 12:57:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions