ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 28º

Interior

Denunciado no 190 por mulher que "pediu boleto" é liberado pela Justiça

Em audiência, Justiça determinou que ele ficasse distante 100m da vítima e saísse da casa

Por Silvia Frias | 29/07/2021 09:04
Homem foi submetido à audiência de custódia pela Justiça de Miranda (Foto/Divulgação)
Homem foi submetido à audiência de custódia pela Justiça de Miranda (Foto/Divulgação)

A Justiça concedeu liberdade ao auxiliar de serviços gerais de 50 anos preso após agredir a mulher em Miranda, a 201 quilômetros de Campo Grande. A detenção aconteceu depois que ela ligou para o 190 fingido solicitar boleto, pedido de socorro entendido pelo militar que estava no atendimento.

O homem passou por audiência de custódia ontem e teve a liberdade provisória concedida sem precisar pagar pela fiança, porém, a Justiça estipulou que ele mantenha distância mínima de 100 metros da mulher, a dona de casa de 50 anos que o denunciou, o que implica ainda, o afastamento da casa em comum.

Além disso, ele deve comparecer a todos os atos processuais para os quais for intimado, não pode se ausentar da cidade sem prévia comunicação à Justiça e deve comprovar residência e trabalho lícito até o fim do trâmite processual. Ele foi indiciado por lesão corporal e injúria, qualificadas pela violência doméstica

O caso aconteceu na noite de 24 de julho. A mulher ligou no 190 às 20h30. “Vou te passar o endereço para que me mande o boleto para eu pagar”. Como repetia a frase várias vezes e em baixo volume de voz, o policial do outro lado da linha desconfiou e permaneceu na ligação. Momentos depois, notou sons de agressão, choro e pedidos de socorro.

O policial que atendeu a ligação, o cabo Luiz Alberto Antonieto, desconfiou da  insistência e permaneceu na linha. Minutos depois, a mulher retornou a ligação e insistiu na história do boleto. “O endereço pro boleto minha filha, é Rua... nº... Bairro...”, disse várias vezes.

A equipe da Polícia Civil foi até o local e encontrou a mulher ferida e chorando.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário