ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 17º

Interior

Epicentro da covid em junho, Dourados agora tem 6 infectados em leitos de UTI

Número de recuperados é quase 6 vezes maior que o de casos novos em 5 dias

Por Helio de Freitas, de Dourados | 06/08/2020 12:21
Vista aérea do centro de Dourados (Foto: Eliel Oliveira)
Vista aérea do centro de Dourados (Foto: Eliel Oliveira)

As mortes pelo novo coronavírus continuam, mas antes epicentro da doença em Mato Grosso do Sul, Dourados, a 233 km de Campo Grande, vê o número de recuperados aumentar até seis vezes mais que o de casos novos de covid-19. As internações também estão em queda.

Levantamento feito pelo Campo Grande News com base nos boletins do Comitê de Gerenciamento de Crise da Covid-19 mostram que Dourados chegou a ter 20 pessoas infectadas pelo vírus em leitos de UTI em junho, mês em que a cidade assumiu o primeiro lugar em casos positivos e mortes – superada em julho por Campo Grande.

Nesta quinta-feira (6), conforme o comitê, são 12 douradenses internados – seis em enfermaria e seis em leito de UTI. O município chegou hoje a 4.487 casos positivos, 55 a mais nas últimas 24 horas.

O número de pessoas já consideradas recuperadas da doença cresceu quase seis vezes em menos de uma semana e atingiu hoje 3.927. Foram 1.058 recuperados do dia 31 de julho até hoje. No mesmo período, foram registrados 196 casos novos.

Atualmente a cidade tem 487 infectados em isolamento domiciliar e 499 casos considerados ativos. Com mais duas mortes nas últimas horas, o número de óbitos no município chegou a 61.

Dourados terminou junho com aumento de 730% nos positivos do novo coronavírus e de 1.000% nas mortes em relação a maio. Eram 2.536 casos positivos até o dia 30 de junho e 23 mortes.

Um mês depois, na sexta-feira passada, de julho, o município tinha 4.291 casos positivos, 70% de aumento em relação ao último dia de maio. O número de mortes saltou de 23 para 55, aumento de 140%.

Conforme o comitê local, a taxa de internação atualmente é de 5,4% por cem mil habitantes. Já a taxa de letalidade aumentou para 1,4% do total de casos positivos.