ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Gari ganha indenização de 300 mil após ser atropelado por caminhão de lixo

O trabalhador será indenizado por danos materiais, morais e estéticos

Por Geniffer Valeriano | 14/05/2024 16:26
Vista aérea da região central de Rio Brilhante (Foto: Divulgação/Prefeitura de Rio Brilhante) 
Vista aérea da região central de Rio Brilhante (Foto: Divulgação/Prefeitura de Rio Brilhante)

Um gari poderá receber R$ 300 mil de indenização por ter sido atropelado e arrastado por um caminhão de lixo enquanto trabalhava. O trabalhador receberá indenização por danos materiais, morais e estéticos.

O caso aconteceu em janeiro de 2021, na cidade de Rio Brilhante, que fica a 161 km da Capital. O processo foi julgado pela segunda turma do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da  24ª Região. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (13).

Conforme relatado durante a leitura da sentença, pelo juiz do trabalho André Luís Nacer de Souza, o gari foi atropelado pelo caminhão de lixo enquanto seguia para pegar um saco que estava  em uma lixeira.

Quando foi atingido, o veículo passou por cima da perna esquerda do trabalhador e o arrastou. A vítima teve o fêmur fraturado, além de danos estéticos, por isso precisou passar por três cirurgias. Laudo pericial aponta que o gari não consegue permanecer de pé por longos períodos e também apresenta dificuldades de locomoção.

“A atividade de coletor de lixo, em que o empregado está obrigado a subir e descer do caminhão em movimento, em uma interminável corrida atrás do veículo, o risco de quedas e atropelamentos é inerente ao trabalho. Prevalece, portanto, a conclusão de que o acidente ocorreu em razão da dinâmica normal da execução da atividade laboral que era de risco” destacou o relator do processo, desembargador César Palumbo Fernandes.

A sentença por danos morais foi justificada pela impossibilidade do trabalhador exercer a mesma atividade que realizava antes do acidente. A indenização por danos estéticos foi aceita, pois a vítima “apresenta cicatriz extensa em face lateral de membro inferior esquerdo com ponto de drenagem de secreção purulenta, limitação na flexo extensão de joelho esquerdo e claudicação à esquerda”.

O desembargador ainda afirmou que “tratando-se de incapacidade permanente, a pensão mensal é vitalícia”, por isso, a empresa deverá realizar o pagamento de uma pensão mensal no valor de 100% do salário base, em parcela única a pedido do gari. A empresa ainda poderá recorrer a tribunais superiores da justiça do trabalho.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias