A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Outubro de 2017

05/05/2015 12:51

Governador diz que "não da mais pra esperar" e estuda reativação de porto

Caroline Maldonado e Leonardo Rocha
Reinaldo comentou sobre a situação do porto nesta manhã. (Foto: Marcelo Calazans)Reinaldo comentou sobre a situação do porto nesta manhã. (Foto: Marcelo Calazans)

O Governo do Estado realiza estudos para definir como será feira a reativação do porto de Porto Murtinho - a 431 quilômetros de Campo Grande. Com suas atividades paradas desde 2004, devido a ação civil pública que tramita na Justiça, questionando concessões de licitação, o porto é uma alternativa eficaz para escoar a produção estadual.

O governador Reinado Azambuja (PSDB) disse hoje (5), que “o Estado precisa se manifestar” quanto a situação. "O porto de Porto Murtinho passa por uma demanda na Justiça há anos. O Governo está fazendo um estudo agora para uma tomada de decisão sobre essa questão, já que não dá para aguardar mais”, comentou.

Reinaldo falou sobre o assunto durante reunião com o embaixador do Paraguai, Manuel Cáceres Cardozo. O encontro que ocorreu na Governadoria, nesta manhã. Ele disse ainda que o porto de Porto Murtinho, assim como o de Concepción são fundamentais para o setor produtivo de Mato Grosso do Sul e do Paraguai.

Atualmente, o porto tem 20 funcionários, que trabalham apenas para manter o local aberto, segundo o grupo responsável pela zona portuária do município. Dos 100 hectares de área total, 4% pertence ao Estado e o restante  ao grupo presidido por Michel Chaim. Em entrevista, em janeiro desse ano, Chaim disse que o porto está aparelhado para o serviço e poderia voltar a operar a qualquer momento.

O porto tem capacidade para 500 mil toneladas/ano de grãos e nos primeiros cinco anos movimentou 400 mil toneladas de produtos diversos, como cimento, açúcar, soja e fertilizantes. A unidade também está apta para o transporte de gado em pé, conforme licenciamento do Ibama ( Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), de 2009.

Prejuízo - Uma carga de uma tonelada custa R$ 200 para ser levada de Porto Murtinho até o porto de Paranaguá. De lá, a carga ainda é encaminhada para a Argentina. Conforme Chaim, se o porto estivesse em uso, o preço ao investidor seria de R$ 100 para levar uma tonelada, que iria direto para a Argentina ou para o Uruguai. Sem precisar passar por Paranaguá, a carga aumentaria a margem de lucro do empresário local.

Continuam abertas as inscrições para mestrado em Agronegócios da UFGD
A UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) segue com inscrições abertas para o processo seletivo do mestrado em Agronegócios, para candidatos i...
MPE apura em inquérito possível irregularidades no CCZ de Dourados
O MPE-MS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) apura desde o início do mês em inquérito civil a existência de irregularidades ambienta...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions