A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

28/07/2017 09:42

Homem é preso com medicamento clandestino avaliado em R$ 750 mil

Botox usado para tratamento estético e outros produtos não identificados estavam sendo levados do Paraguai para SP

Helio de Freitas, de Dourados
Medicamento clandestino foi apreendido ontem pela PRF (Foto: Divulgação/PRF)Medicamento clandestino foi apreendido ontem pela PRF (Foto: Divulgação/PRF)

Um homem de 39 anos foi preso ontem (27) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, transportando medicamentos clandestinos avaliados em R$ 750 mil. Comprados no Paraguai, os produtos estavam sendo levados para São Paulo.

A apreensão foi feita pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) na BR-163. Entre os produtos estavam 565 ampolas de “Neuronox”, composto conhecido por botox e usado em tratamentos clandestinos estéticos e de saúde.

Preso por descaminho e crime contra a saúde pública, o homem carregava também outras substâncias ainda não identificadas. Segundo ele, o material seria comercializado no estado paulista.

O homem viajava em um Hyundai/Santa Fé com placa de Amambai quando foi parado no posto da PRF. Desconfiados, os policiais rodoviários federais fizeram uma vistoria no carro e encontraram cem ampolas rotuladas como “Neuronox – Botulinum Toxin, Type A Complex”, conhecida no Brasil como botox, e 420 ampolas não rotuladas, com as mesmas características.

Ele também levava 45 ampolas contendo pastilhas brancas, cujo composto ainda não foi confirmado.

O medicamento foi levado para a Polícia Federal, onde passou por perícia para identificação das substâncias. Segundo a PRF, o laudo preliminar confirmou a existência de toxina botulínica.

A droga poderia ser utilizada para aplicações médicas clandestinas, de estética e até mesmo para tratamento de disfunções neurológicas e motoras.

Conforme a PRF, além de ser importado ilegalmente, a comercialização do medicamento no país é vedada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A venda ilegal de cada frasco pode chegar a R$ 1.500.

O condutor do carro onde estavam os medicamentos confessou que as ampolas foram adquiridas em Assunção, capital do Paraguai, mas apenas receberia um valor para levar as substâncias até a capital paulista.

A pena prevista para o crime de falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais é de 10 a 15 anos de prisão. O crime de descaminho prevê pena de reclusão de um a quatro anos.

Homem é morto com quatro tiros por dupla em motocicleta
Homem de 51 anos foi assassinado com pelo menos quatro tiros, na noite desta terça-feira (19), por volta das 19h30, em frente a sua residência, local...
Analista do TJMS é denunciada por esquema de falsificação de documentos
Seis pessoas incluindo uma analista jurídica da 4ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul foram denunciados pelo MPF (Ministério Púb...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions