ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Justiça solta comerciante preso com "supermaconha" dentro de carro de luxo

Para magistrado federal, liberdade provisória de Caio César Monteiro Marques é “questão humanitária”

Por Helio de Freitas, de Dourados | 22/05/2024 16:37
Pacotes de skunk e caixas de iPhones sobre o capô de Volvo apreendido pela PRF na BR-463 (Foto: Divulgação)
Pacotes de skunk e caixas de iPhones sobre o capô de Volvo apreendido pela PRF na BR-463 (Foto: Divulgação)

A Justiça Federal soltou o comerciante Caio César Monteiro Marques, 38, preso na noite desta terça-feira (21) com 10 quilos de skunk, a chamada “supermaconha”, na BR-463, em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai.

Além da droga, Caio carregava quatro iPhones e dois iPads trazidos do território paraguaio sem recolhimento de impostos. Os 18 pacotes de skunk e os eletrônicos estavam no carro do comerciante, um importado Volvo V40, parado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) na rodovia que liga Ponta Porã a Dourados, onde Caio mora.

Levado para a Delegacia da Polícia Federal em Ponta Porã, o comerciante foi autuado em flagrante por tráfico e descaminho, mas durante audiência de custódia, na tarde desta quarta-feira (22), o juiz federal Ricardo Duarte Ferreira Figueira converteu o flagrante em liberdade provisória.

“Não verifico presente o periculum libertatis [risco que a liberdade pode representar ao curso das investigações], haja vista que a prisão preventiva possui nítida natureza cautelar, tendo como escopo principal dar segurança à prova, ao processo, à aplicação da lei penal e à ordem pública. Sua aplicação deve ser excepcional nos estritos termos das disposições legais e não servir como panaceia para todos os males, especialmente não deve se consubstanciar em uma punição antecipada”, afirmou.

O magistrado entendeu não existir necessidade da manutenção da custódia provisória: “além de ser uma questão evidentemente humanitária, justifica-se a concessão de liberdade provisória cumulada com medidas cautelares, haja vista o crime ter sido cometido sem violência ou grave ameaça, o crime de descaminho ser de médio potencial ofensivo, assim como da diminuta quantidade de droga apreendida considerando a região de fronteira, e não constar nos autos quaisquer indícios de que o flagranteado possua ligação com o crime organizado”.

A prisão – Residente no Jardim Rigotti, na região sul de Dourados, Caio Marques é conhecido na cidade por ostentar vida de luxo nas redes sociais, onde também costumava postar eletrônicos, principalmente celulares, colocados à venda pela internet.

Ele foi parado em fiscalização de rotina de policiais da delegacia da PRF em Dourados. No carro de luxo, os PRFs encontraram os celulares e iPads. Durante a vistoria mais detalhada, localizaram compartimento oculto no painel do veículo onde estavam 18 pacotes de skunk, pesando dez quilos. No Paraguai, cada quilo de skunk custa R$ 4 mil – dez vezes o valor da maconha comum.

Caio Marques informou que meses atrás foi parado pela fiscalização em sua SUV importada Land Rover e perdeu 80 celulares trazidos do Paraguai. Para quitar a dívida dos celulares apreendidos, decidiu trazer a droga do Paraguai para Dourados.

Como medidas cautelares, ele terá de comparecer a todos os atos do processo e apresentar comprovante de residência; justificar suas atividades a cada três meses na 1ª Vara Federal de Ponta Porã; comunicar previamente ao Juízo a mudança de endereço e comunicar ausência de seu domicílio por prazo superior a oito dias.

O comerciante fica proibido de sair do país e de frequentar qualquer cidade ou região de fronteira até o término da ação penal. Também não poderá se envolver em qualquer outra infração penal, sob pena de ter a prisão preventiva decretada.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias