ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 19º

Interior

Justiça paraguaia começa a julgar esposa e irmão de traficante foragido

Narciso Ayala fugiu, mas parentes foram presos em 2021 na fronteira com MS

Por Helio de Freitas, de Dourados | 17/06/2024 09:39
Propriedade rural de Narciso Ayala, perto da linha internacional com MS (Foto: Divulgação)
Propriedade rural de Narciso Ayala, perto da linha internacional com MS (Foto: Divulgação)

A Justiça do Paraguai inicia nesta segunda-feira (17) o julgamento da esposa e do irmão do narcotraficante Narciso Ayala, o “Bugão”, apontado como importante fornecedor de drogas e armas para facções brasileiras. A base de atuação dele fica nos arredores de Salto Del Guairá, capital do departamento de Canindeyú e a 20 km de Mundo Novo (MS).

Ninfa Villasboa Chamorro, 37, e Francisco Delosanto Ayala, 51, o “Chapéu”, foram presos no âmbito da Operação Jerjes I, do Ministério Púbico do Paraguai no dia 27 de outubro de 2021. Narciso Ayala também era alvo dos mandados de prisão, mas conseguiu escapar, supostamente avisado por autoridades paraguaias.

Além da esposa e do irmão do narcotraficante, também começa a ser julgado hoje um dos responsáveis pela lavagem de dinheiro das drogas, Sírio Eudes Riquelme Bazán, 32, o “Cambista”, preso na mesma operação. Propriedades rurais, imóveis urbanos e veículos apreendidos na operação seguem sob controle do Estado.

Os três são acusados de associação criminosa com base na Lei de Drogas e lavagem de dinheiro oriundo do narcotráfico. O Tribunal de Sentença que analisa a denúncia do Ministério Público é formado pelos juízes Inés Galarza, Pablino Barreto e Juan Dávalos.

Francisco Delosanto Ayala, irmão de "Bugão", um dos que começam a ser julgados hoje (Foto: Divulgação)
Francisco Delosanto Ayala, irmão de "Bugão", um dos que começam a ser julgados hoje (Foto: Divulgação)

A esposa de “Bugão” vai acompanhar a sessão de forma remota, pois cumpre prisão domiciliar em Salto Del Guairá. Os outros dois acusados estão presos e nesta manhã foram levados à presença dos juízes, em Asunción.

De acordo com o MP paraguaio, Narciso Ayala opera há pelo menos 12 anos na linha internacional com Mato Grosso do Sul. A organização criminosa liderada por ele é acusada de trazer cocaína do Peru e da Bolívia e abastecer facções criminosas brasileiras. Ele também fornece maconha, produzida em território paraguaio.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias