ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 20º

Interior

Mãe queima mão de adolescente que pegou R$ 50 para comprar chinelo

Mulher confessou que usou colher para ferir menina que vinha tendo "comportamentos indequados"

Por Ana Paula Chuva | 09/07/2024 15:59
Letreiro na entrada da cidade de Bataguassu onde crime aconteceu (Foto: Reprodução)
Letreiro na entrada da cidade de Bataguassu onde crime aconteceu (Foto: Reprodução)

Mulher de 35 anos foi indiciada pela Delegacia de  Polícia Civil de Bataguassu, nesta terça-feira (9), por torturar a filha de 13 anos. O caso aconteceu na cidade distante 313 quilômetros de Campo Grande, após a menina pegar R$ 50 do pai para comprar um chinelo.

De acordo com a Polícia Civil, dois conselheiros tutelares foram até a casa da menina após a denúncia de que ela estava sendo torturada. Na ocasião, a adolescente contou que pegou o dinheiro do pai para comprar um chinelo e quando ele descobriu contou para a esposa.

A mulher então esquentou uma colher e pressionou contra a palma da mão direita da menina, como forma de castigo. A ação resultou em queimaduras de segundo grau e foi presenciado pela irmã mais nova da adolescente.

Ainda conforme a Polícia Civil, a adolescente passou por exame de corpo de delito que confirmou a lesão térmica. Em depoimento, a mão da menina confirmou o fato e justificou alegando que ela estava apresentando “comportamentos inadequados” há algum tempo.

No relato, a mulher alegou que no dia do incidente, a menina confessou ter pegado uma outra quantia de dinheiro dias antes e isso fez com que ela queimasse a mão da adolescente como forma de correção.

O pai da menina negou que presenciou a tortura e que ficou sabendo depois. Ele também relatou que a adolescente ficou dias sem dormir por conta da dor causada pelas queimaduras.

Após finalizar as diligências, o delegado Daniel Wollz indiciou a mãe da menina por tortura e encaminhou o caso para o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul).

Nos siga no Google Notícias