ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 27º

Interior

Ministério Público vai investigar cobrança abusiva em parquímetro

Renata Volpe Haddad | 23/03/2016 09:53
Parquímetros foram substituídos por sistemas mais modernos e que custam mais caro aos usuários. (Foto: Eliel Oliveira)
Parquímetros foram substituídos por sistemas mais modernos e que custam mais caro aos usuários. (Foto: Eliel Oliveira)

Em menos de 24 horas, o Ministério Público de Mato Grosso do Sul em Dourados, distante 233 km de Campo Grande, recebeu 20 denúncias sobre a cobrança do novo sistema rotativo de estacionamento que substituiu o parquímetro. Com isso, a 10º Promotoria de Justiça do município, abriu inquérito para apurar possíveis práticas abusivas contra o consumidor na cobrança.

Segundo informações do site Dourados News, o inquérito investiga se a forma de cobrança tal qual como está no contrato está ferindo o Código de Defesa do Consumidor, principalmente nos artigos 52 e 39.

Conforme o promotor de justiça, Etéocles Brito Junior, estes artigos tratam de práticas abusivas que deixam o consumidor em desvantagem exagerada. "Um exemplo é o consumidor que fica quase meia hora pagar o mesmo do que o que fica bem menos. É um tratamento igual, para uma situação desigual", explica.

Outro ponto que será apurado é quanto a possibilidade de irregularidade na assinatura do contrato firmado entre a EXP Parking, empresa concessionária contratada para explorar o serviço e o município. Segundo o promotor, o problema "impede o contrato de produzir efeito", afirmou.

O edital de abertura do inquérito já foi enviado para publicação no Diário Oficial do Ministério Público, que deve ocorrer nesta quarta (23) ou quinta-feira (24).

Constam no inquérito como as requeridas que são as investigadas, a prefeitura, Agetran e EXP Parking. A promotoria informou ainda que encaminhou às 15h de terça-feira (22) pedidos de esclarecimentos relacionados às denúncias. O prazo dado para resposta é até a próxima segunda-feira (28).

Ainda conforme informações do Dourados News, através da assessoria de comunicação, a prefeitura informou que a instituição, assim como seus integrantes citados, só vão se manifestar sobre o tema após receber os documentos de maneira oficial.

Já a EXP Parking, por meio de seu representante em Dourados, Marcelo Silva, disse que as formas de cobrança por parte da empresa são realizadas conforme acordado em contrato e que a empresa ainda não foi notificada pelo Ministério Público.

Usuários - A principal queixa dos usuários é com relação ao pagamento pela vaga no estacionamento rotativo não ser fracionado. O usuário paga um valor mínimo de R$ 1 para estacionar e este contempla o período de meia hora, mesmo que o condutor fique menos tempo na vaga.

Dessa forma, se ele usar três vagas diferentes e ficar 10 minutos em cada uma delas, por exemplo, precisa pagar três vezes, fazendo com que o valor suba para R$ 3 pela mesma meia hora utilizada.

Um grupo de manifestantes que fazem parte do movimento Acorda Dourados, foi até a Câmara Municipal na segunda-feira (21) para entregar uma carta manifesto aos vereadores relacionada ao novo sistema.

O movimento quer a suspensão imediata da cobrança e realização de uma audiência pública para esclarecer e sanar problemas que vem sendo enfrentados por usuários, para posterior retomada da cobrança.

O grupo que se organiza pelas redes sociais e tem apoio de centenas de membros, realizou o ato após a campanha intitulada "EXP, devolve meu dinheiro! Se a vaga é pública todo cidadão tem o direito de usar. Diga não à cobrança incorreta do rotativo".

Nos siga no Google Notícias