ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Motorista preso por tráfico deu carona a mulheres, também levando droga

Caronas levavam 2 kg de cocaína e 20 kg de maconha; fundo falso na carreta escondia mais 209 quilos de coca

Por Helio de Freitas, de Dourados | 07/08/2020 18:34
Tabletes de cocaína encontrados em fundo falso de carreta (Foto: Divulgação)
Tabletes de cocaína encontrados em fundo falso de carreta (Foto: Divulgação)

Caminhoneiro preso nesta sexta-feira (7) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, com 209 quilos de cocaína no fundo falso de uma carreta transportando milho a granel, levava duas mulheres de carona. Elas também carregavam droga nas malas e foram as primeiras descobertas por policiais rodoviários federais da delegacia de Dourados.

A carreta foi abordada por volta de 8h30 no trevo da BR-463 com a rodovia de acesso ao aeroporto de Dourados. As duas mulheres informaram que estavam trabalhando e uma boate na fronteira e pegaram carona para voltar para casa. Durante vistoria, os policiais encontraram 2 quilos de cocaína na bolsa de uma delas e 20 quilos de maconha na bagagem da outra.

O caminhoneiro, Vagner Regis, 31, morador em Itajaí (SC), alegou que apenas tinha dado carona às mulheres, mas a história dele sobre a viagem estava confusa.

Desconfiados, os policiais levaram os três para a delegacia na BR-163, saída para Campo Grande. Após o milho a granel ser descarregado em uma cooperativa, os policiais encontraram o fundo falso com 209 quilos de cocaína. Só a cocaína na carreta foi avaliada em pelo menos R$ 5,3 milhões.

Inicialmente, Vagner Regis negou saber da droga, mas depois confessou que recebeu a proposta de fazer três viagens transportando cocaína. Se conseguisse cumprir a meta, a carreta seria dele. Essa seria a primeira viagem, segundo o motorista.

Em Ponta Porã, Vagner disse que entregou a carreta aos fornecedores da droga e ficou hospedado em um hotel. A carreta foi devolvida já preparada com a cocaína. Depois de pegar a carga de milho, o catarinense iniciou a viagem, mas foi preso 100 km depois. O caminhoneiro e as mulheres foram levados para a Polícia Federal em Dourados.