ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUINTA  04    CAMPO GRANDE 23º

Interior

No Dia do Índio, reserva mais populosa do país tem recreação para crianças

Atividades voltadas para alunos de escolas indígenas, que foram dispensados das aulas, acontecem durante o dia na Vila Olímpica

Por Helio de Freitas, de Dourados | 19/04/2016 09:18
Vila Olímpica, onde acontecem atividades em comemoração ao Dia do Índio (Foto: Divulgação)
Vila Olímpica, onde acontecem atividades em comemoração ao Dia do Índio (Foto: Divulgação)

Mais populosa do Brasil, com pelo menos 15 mil pessoas vivendo num espaço de 3.600 hectares, a reserva indígena de Dourados, município a 233 km de Campo Grande, comemora hoje, 19 de abril, o Dia do Índio. Em meio a uma disputa com produtores rurais vizinhos das aldeias Bororó e Jaguapiru em decorrência das ocupações de sítios, iniciadas em março, a comunidade formada por guarani-kaiowá e terena se reúne hoje na Vila Olímpica, para comemorar a data.

Nesta terça-feira não tem aula nas sete escolas municipais da área indígena. Os alunos das escolas Agustinho, Araporã, Lacu´i Roque Isnard, Pa´i Chiquito, Ramão Martins, Tengatuí Marangatu e Fernando Meireles foram dispensados para participarem da celebração.

Famílias da comunidade foram convidas para acompanhar os filhos nas atividades recreativas realizadas na Vila Olímpica durante todo o dia pela Funed (Fundação de Esportes de Dourados) e Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul). Segundo a prefeitura, atividades lúdicas e recreativas, com brinquedos infláveis, cama elástica, tobogã e futebol de sabão estão à disposição dos moradores da reserva.

A programação alusiva ao Dia do Índio começou na semana passada em Dourados. Organizadas pela Coordenadoria de Assuntos Indígenas, as comemorações incluíram o concurso Miss e Mister Indígena 2016, que teve como vencedores os jovens terenas Ângela Fernanda Messe, 15, e Sérgio Henrique Machado, 16.

Nesta semana acontece também o 3º Seminário Regional dos Povos Indígenas, com o tema é “Dinâmica da Cultura Indígena no Século XXI”. Uma série de palestras é direcionada à comunidade das aldeias douradenses.