A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Fevereiro de 2017

12/05/2014 13:12

Operação apreende sete toneladas de carne imprópria para consumo

Luciana Brazil
Mais de sete toneladas foram apreendidas na região de  Nova Andradina e Batayporã. Mais de sete toneladas foram apreendidas na região de Nova Andradina e Batayporã.

Uma operação da Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo), realizada na região de Nova Andradina e Batayporã, entres os dias 5 e 9 de maio, apreendeu, aproximadamente, sete toneladas de produtos clandestinos de origem animal. Além de armazenados em ambientes precários com mofo, os produtos não tinham documentação de origem e de inspeção sanitária e estavam impróprios para o consumo. Foram tirados de circulação carne bovina, suína, de frango e pescado.

A ação, realizada em conjunto com fiscais agropecuários da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) e do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), tinha a intenção de combater a concorrência desleal, os crimes contra relação de consumo e o trânsito e comércio de produtos clandestinos.

Foram vistoriados vários estabelecimentos comerciais, em especial supermercados e açougues. Em Nova Andradina, a 300 quilômetros de Campo Grande, foram apreendidos mais de três toneladas de produtos. A maior parte das apreensões aconteceu por causa das más condições de armazenamento, em locais com mofo e outras impurezas.

No distrito de Casa Verde, além de duas toneladas de produtos de origem animal, a policia recolheu 757 quilos de mel, também sem registro e armazenado sem higiene.

A menor apreensão foi feita em Batayporã, a 311 quilômetros da Capital, onde foi recolhida uma tonelada de carne bovina e linguiça, já em avançado estágio de deterioração. No mesmo município, leite in natura, charque, e mais de 4,1 mil ovos, de uma granja sem higiene, foram apreendidos. Mais de 3,4 mil embalagens também foram retiradas de circulação.

Conforme a Decon, as condições higiênicos-sanitárias dos estabelecimentos comerciais fiscalizados eram precárias. Os alimentos também era manuseados e armazenados sem cumprimento das normas sanitárias.

As autoridades salientam para o perigo de consumir produtos clandestinos, podendo acarretar em diversas doenças como cisticercose e brucelose, além de transtornos gástricos como diarréia, vômito, em casos mais graves podendo levar a óbito.

Os responsáveis pelos estabelecimentos poderão responder por procedimento administrativo junto à Iagro. Se indiciados, os mesmos responderão por crime contra relação de consumo, com pena que varia de dois a cinco anos.

Homem é socorrido em estado grave após ser ferido com cinco facadas
Jovem de 26 anos foi ferido com pelo menos cinco facadas, na madrugada de hoje (26), na Avenida Brasil, no Bairro Centro, em Campo Grande. Genaro Fl...
Homem é preso por comércio ilegal e 216 kg de pescado são apreendidos
Equipes da PMA (Polícia Militar Ambiental) e Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) prenderam em Anastácio - cidade localizada a 1...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions