ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEXTA  27    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Paraguai faz maior apreensão de cocaína da história do país: 2,3 mil quilos

Droga escondida em sacos de carvão vegetal foi descoberta após cinco meses de investigação

Por Helio de Freitas, de Dourados | 20/10/2020 08:16
Pacotes de cocaína retirados de sacos de carvão em porto paraguaio (Foto: ABC Color)
Pacotes de cocaína retirados de sacos de carvão em porto paraguaio (Foto: ABC Color)

Depois de cinco meses de investigação, o Departamento Antinarcóticos da Polícia Nacional fez nesta segunda-feira (19) a maior apreensão de cocaína da história do Paraguai. A apreensão ocorreu no Porto de Villeta, cidade na margem do Rio Paraguai, a 250 km do território sul-mato-grossense.

Até a madrugada de hoje, 2.327 quilos já tinham sido encontrados, mas o trabalho continua nesta manhã. A droga estava em sacos de carvão vegetal e seria levada de navio para Israel.

Até então, a maior apreensão, de 2.190 quilos, tinha sido feita no ano passado em Yby Yaú, a 80 km de Ponta Porã (MS).

O diretor da TV Pública do Paraguai no governo de Federico Franco (2012-2013), Cristhian Turrini, apontado como responsável pelo carregamento de carvão, foi preso ainda na noite de ontem por suspeita de ligação com a cocaína.

Conforme o comissário Gilberto Freitas, a droga estava em um dos seis containers da empresa Impulso. Os outros cinco ainda estão sendo verificados.

A carga recorde de cocaína foi descoberta pela investigação iniciada há cinco meses, depois de grande quantidade da droga ser apreendida também em sacos de carvão, em um porto da Bélgica.

Com informações repassadas por policiais belgas, os agentes antinarcóticos da Polícia Nacional passaram a investigar a rota. Segundo o comissário Gilberto Fleitas, a droga veio da Bolívia, possivelmente de avião. Os containers deveriam ter sido embarcados na sexta-feira passada rumo ao porto da Bélgica e depois até Israel, mas os agentes da Aduana do porto de Terport, em Villeta, retardaram a liberação, a pedido da polícia.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário