ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  11    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Polícia investiga omissão de socorro em morte de idosa diagnosticada com covid

Idosa de 60 anos tinha sido transferida de Cassilândia para Chapadão e família diz que houve erro na intubação

Por Silvia Frias | 29/07/2020 10:23
Idosa foi atendida no dia 11 de julho na Santa Casa de Cassilândia (Foto/Divulgação)
Idosa foi atendida no dia 11 de julho na Santa Casa de Cassilândia (Foto/Divulgação)

A família de idosa de 60 anos recorreu à Polícia Civil para averiguar suspeita de omissão de socorro, ocorrida durante a transferência dela da Santa Casa de Cassilândia para Chapadão do Sul, depois que teve resultado positivo para covid-19. A paciente morreu no mesmo dia.

O boletim de ocorrência foi registrado na Polícia Civil de Cassilândia, a 435 quilômetros de Campo Grande ontem à tarde, pela nora da idosa, mas o fato aconteceu no dia 11 de julho.

Naquele dia, por volta das 11h, a mulher de 33 anos foi visitar a sogra, que estava se sentido fraca e com dores nas costas. Como tinha plano de saúde, foi levada a um hospital particular da cidade. A idosa foi atendida pelo médico plantonista que deu medicação, não informada no boletim de ocorrência, e fez teste rápido para novo coronavírus (covid-19), atestando positivo para a doença.

Medicada, não sentiu mais dores nas costas, mas por conta do resultado positivo para covid, foi transferida para a Santa Casa de Cassilândia. A nora dela deixou contato para qualquer emergência.

Mais tarde, soube que a irmã da idosa foi até a Santa Casa e ficou sabendo que a paciente estava sendo transferida para hospital em Chapadão do Sul, cidades que ficam a 104 quilometros de distância uma da outra.

No relato da irmã, consta que a idosa teria saído inconsciente da Santa Casa e chegou a Chapadão do Sul por volta das 18h daquele dia. Com batimentos a 40 bpm, foi submetida a massagem cardíaca.

No boletim de ocorrência, consta que o médico em Chapadão do Sul teria dito que a paciente foi intubada de forma incorreta em Cassilândia e que o oxigênio havia acabado antes mesmo que a ambulância chegasse ao hospital. A nora da idosa relatou à Polícia Civil que, segundo este médico, ela deveria ter sido transportada em ambulância de UTI.

Enquanto ainda estavam providenciando a documentação da transferência do hospital, chegou a informação de que a idosa tinha morrido. Ontem, a família registrou boletim de ocorrência para averiguar se houve omissão de socorro por parte da Santa Casa de Cassilândia.

A reportagem entrou em contato com a Santa Casa de Cassilândia e a informação é que somente o diretor clínico do hospital poderia falar sobre o assunto, mas ele ainda não retornou contato.