A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019

18/09/2019 20:11

Polícia prende homem que estava com brasileiro executado na fronteira

Armando Almeida Junior, de 42 anos, entrou em contradição sobre o que fazia com a vítima, momentos antes do crime

Adriano Fernandes e Helio de Freitas
Investigadores ao lado do veículo onde a vítima foi executada. (Foto: Porã News) Investigadores ao lado do veículo onde a vítima foi executada. (Foto: Porã News)

A polícia paraguaia prendeu nesta tarde (18), um homem que estava com o brasileiro Emerson Freitas de Oliveira, de 45 anos, minutos antes dele ser executado com sete tiros em um Toyota Corolla blindado, na Avenida Mariscal Lopez, centro de Pedro Juan Caballero.

Conforme o jornal Amambay Ahora, durante depoimento a polícia o brasileiro Armando Almeida Junior, de 42 anos, entrou em várias contradições, quando questionado sobre a visita que teria feito a vítima no endereço onde ele foi executado.

Diante das alegações o promotor Marco Amarilla, mandou prender o suspeito enquanto prosseguem as investigações.

O crime

Emerson Freitas foi executado com sete tiros de pistola calibre 9 milímetros quando se preparava para entrar em um Toyota Corolla blindado, na Avenida Mariscal Lopez, centro de Pedro Juan Caballero. De acordo com a seção de investigações da Polícia Nacional do Paraguai, os pistoleiros estavam em uma picape Fiat Toro branca. Emerson caminhava em direção ao Corolla quando foi alvejado. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu antes de chegar ao hospital.

Ele chegou a ser socorrido, mas morreu em seguida. Ele era empresário do ramo de entregas e foi apontado pela polícia paraguaia como um dos secretários do narcotraficante Jarvis Gimenes Pavão, atualmente recolhido no Presídio Federal de Mossoró (RN). O Corolla usado por Emerson tem placa da mesma cidade onde Pavão está preso.

Vários outros funcionários do traficante e até familiares dele foram mortos na fronteira nos últimos dois anos. Fontes policiais afirmam que a matança começou após Pavão romper com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), em guerra pelo controle do crime organizado na Linha Internacional.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions