ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUINTA  26    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Por ano, duas onças morrem na BR-262 em Corumbá e entidade pede controle

Hoje, um novo animal entrou na estatística; ele estava estirado, às margens da rodovia

Por Lucia Morel | 28/01/2022 19:02
Onça-pinta morreu após ser atropelada na BR-262. (Foto: Divulgação/IHP)
Onça-pinta morreu após ser atropelada na BR-262. (Foto: Divulgação/IHP)

Ao menos duas onças morrem atropeladas na BR-262, em Corumbá, por ano, segundo cálculos do IHP (Instituto Homem Pantaneiro). A entidade mantém o Programa Felinos Pantaneiros desde 2016 e de lá para cá, 14 animais da espécie foram encontradas mortas na rodovia, já contabilizando a de hoje.

Por ser rodovia federal, as ações para prevenção e mitigação de atropelamento de animais deve ser feito em parceria com o Governo Federal, mas conforme o presidente do IHP, Ângelo Rabelo, nenhuma medida é adotada efetivamente. Ele pede urgência para que algo seja feito.

Para se ter uma ideia, o número de atropelamentos – seja de onças ou outros animais – deve aumentar na rodovia, já que com o baixo nível do Rio Paraguai, cresceu o fluxo de transporte rodoviário no trecho.

Estado – em Mato Grosso do Sul, manual foi lançado no fim do ano passado e quatro rodovias vêm sendo monitoradas pelo projeto Estrada Viva. O objetivo é reduzir e criar ferramentas para redução de atropelamentos e mortes de animais.

As estradas monitoradas são MS-040, MS-178, MS-382 e BR-359, que perpassam por grandes áreas remanescentes de vegetação do cerrado e pantanal, plantações, pastos e áreas alagadas com grande potencial de presença de fauna.

O programa está catalogando espécies atropeladas e identificando os principais pontos de passagem dos animais para propor medidas preventivas e de mitigação dos incidentes.

Quanto ao manual, ele será utilizado na execução de novos projetos viários em Mato Grosso do Sul. As estradas e rodovias que serão pavimentadas no Estado terão que ter em seus projetos executivos ferramentas que permitam a redução de atropelamentos de animais.

O documento também poderá ser usado nas rodovias já pavimentadas, principalmente, aquelas que apresentam alto índice de acidentes devido a estas colisões, muitas vezes, com atropelamento de animais em extinção.

Nos siga no Google Notícias